quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Fotos Memória do Rádio Amapaense: O melhor dos amapaenses

Por Expedito Leal
O rádio esportivo de Macapá em tempos idos tanto recebia valores de Belém como igualmente fornecia talentos para as emissoras da capital paraense.
Naquela época remota, Júlio Sales, um dos mais longevos locutores em atividade no rádio cearense, foi o primeiro a deixar Belém para atuar na Difusora do então território federal. Ele já passara pela Marajoara e Clube e em Macapá na segunda metade da década de 1950, além de narrador de futebol, era animador de auditório, repórter de rua e nas horas vagas também ator de novelas. Há quase seis décadas, Júlio que por muitos anos foi o titular da extinta e prestigiosa Uirapuru de Fortaleza, passou por outros prefixos alencarinos até se fixar na Assunção. Onde também atua o filho Mário Sales, que se iniciou, tal como o pai, no rádio de Belém.
Outro que teria rápida passagem pela mesma Difusora, foi o saudoso José Simões, igualmente como Júlio, um narrador principiante na Rádio Clube. 
Não foi muito demorada também, a permanência de Carlos Cidon no começo dos anos 60 na extinta Equatorial de Macapá.
Inversamente à “exportação” de narradores, vindo da capital do hoje estado do Amapá, chegaria em 1958 João Álvaro, paraense, mas que trabalhou por algum tempo no IBGE de Macapá e em Belém chegou ao cargo máximo de gerente do órgão federal. Revelou-se um excelente repórter, ainda que sendo uma pessoa de temperamento calmo, sem ser, no entanto, retraído, mas sempre antenado à notícia. Durante muito tempo apresentou uma sequência dentro do programa O Cartaz Esportivo –O Fato do Dia – no final da tarde. Tinha sempre uma entrevista factual gravada ou ao vivo para oferecer aos ouvintes. Era um entrevistador de perguntas objetivas, mas sólidas no conteúdo. 
No gramado, com o famoso BTP (aparelho comprido com uma antena e um microfone acoplados e com uma nitidez de som excelente) enfrentava a concorrência à altura de Abílio Couceiro pela Marajoara. Se equivaliam. Até na leveza vocal.
Depois que João Álvaro assumiu a chefia do IBGE, afastou-se do rádio e só eventualmente comentava jogos pela Marajoara, quando Carlos Castilho, o comentarista titular, tinha que se ausentar de Belém por força de seu emprego na Petrobrás. Pois para substitui-lo, com rara simetria, tanto na voz de timbre baixo, mas dotado de bom improviso e sendo um repórter diligente, outro bom valor do rádio macapaense aportou em Belém.
Guilherme Jarbas, que pertencia à Difusora, passou a substituir João Álvaro no Fato do Dia. Ele também era narrador, embora fosse melhor na função de repórter.
Quase ao mesmo tempo (1970) surge em Belém o garotão Guilherme Pinho dotado de boa voz e dicção clara, além de fácil expressão verbal. Ele fora revelado pela terceira emissora de Macapá, a Educadora São José. Explodiu rapidamente na Marajoara e sem tanta demora foi contratado pela Clube. Que naquele tempo sentira muito a saída de Cláudio Guimarães para a nova equipe da Liberal. Pinho, porém, talvez pela própria idade, era um tanto amolecado, comportamento que destoava na equipe chefiada pelo mítico e disciplinador Edyr Proença. Empolgado pela fama que rapidamente viu aparecer, ele se transfere para a nova equipe da Liberal onde já estavam entre outros nomes de peso além de Cláudio Guimarães, Jayme Bastos, Grimoaldo Soares, Luiz Solheiro e ainda o plantonista Bellard Pereira.
Em pouco tempo, porém, Guilherme Pinho estava saindo da Equipe Legal e sem mais ambiente em Belém, transferiu-se para Fortaleza onde trabalhou em várias emissoras, deixou o microfone esportivo e passou a apresentar um programa político em uma das rádios AMs. Depois de formado em Direito trabalhava na assessoria jurídica da Câmara Municipal. Teve morte trágica – foi assassinado – no início do novo século.
De toda essa gama de valores amapaenses, o mais famoso, entretanto, não veio para Belém. 
O competente narrador Guioberto Alves preferiu aceitar a tentadora oferta financeira da então poderosa Rádio Difusora do Maranhão e foi substituir Walbert Martins, o popular “Canarinho”, hoje com mais de 80 anos, embora não mais transmitindo o futebol, e que se transferiu para a Timbira, a grande concorrente da Difusora em São Luis. Guioberto chegou e conquistou a audiência logo de cara. Tinha voz agradável, pronuncia esmerada e ainda era bem articulado. Nesse tempo eu ouvia muito as emissoras maranhenses através das ondas curtas. Morreu de um acidente quando retornava de Teresina em um jipe juntamente com Herbert Fontenele (recentemente falecido). Sua morte foi uma consternação na capital timbira. Mereceu até honras de estilo por parte de todo o rádio timbira. Atuou por cerca de uma década na Difusora (1963/72).
A emissora teve muitas dificuldades para encontrar seu substituto e recorreu até ao rádio paulista sem conseguir êxito, tamanha era a maciça audiência dos ouvintes identificados com o estilo de Guioberto. Um dos melhores do Norte de todos os tempos.
(*) Jornalista e radialista paraense editor do blog Ponta de Gol
Fonte: Texto e Fotos Blog Ponta de Gol

terça-feira, 2 de outubro de 2018

FALECIMENTO: Morre em Macapá, a Professora Edna Soares da Cunha um marco na vida cultural e musical do Amapá.

Faleceu nesta segunda-feira, 01/10, a professora Edna Soares da Cunha, natural da vila de Quatipuru Mirim, município de Bragança-Pa. 
Ela estava com 90 anos de idade e veio a óbito vítima de fulminante infarto do miocárdio.
Edna Cunha se formou como professora pelo Instituto de Educação do Pará em 1948. Casou-se com Juracy Ribeiro da Cunha (em memória) e juntos foram trabalhar no Território Federal do Amapá em 1952. Em Macapá estudou teoria musical no Conservatório Amapaense de Música, além de inúmeros cursos de música pelo Brasil.
Professora Edna desenvolveu uma carreira próspera no magistério de Macapá. Trabalhou no Instituto de Educação do Território do Amapá – IETA, nas escolas Alexandre Vaz Tavares, e Coaracy Nunes. Em 1976 foi nomeada pelo Secretário de Educação e Cultura para desenvolver estudos para a implantação e organização de corais de alunos nas escolas de 1º e 2º graus em Macapá. Entre 1955 a 1975 trabalhou na Escola de Música Walkíria Lima com corais e ensino de teoria musical e solfejo.
Foi agraciada com muitos prêmios e honrarias. Em 1976 recebeu o título de Professor do Ano e o Título Honorífico da Câmara Municipal do Amapá, em 1999. Recebeu também o Diploma de Destaque Cultural Popular do Conselho Estadual de Cultura, e o título de Honra ao Mérito da Congregação Bete Seã em 2011 e da Convenção Estadual da Assembleia de Deus no Amazonas, em 2014.
Fundou o Coral do Serviço Social da Indústria-SESI, que depois se tornou o Coral Vozes do Amapá, durante muitos anos de atividade musical, apresentando inúmeros recitais de excelente qualidade, pela cidade e interior.
Paralelamente, a Professora Edna dirigiu corais em várias igrejas de Macapá. Esteve como regente titular do Coral Harmonias Angélicas, da Assembleia de Deus do Avivamento por quase 50 anos.
Professora Edna deixa 7 filhos, 26 netos e 12 bisnetos. Deu testemunho de integridade, lealdade e bondade para toda sua família e amigos. De espírito guerreiro, resistiu a um forte AVC (acidente vascular cerebral) aos 50 anos.
Quem conheceu a professora Edna, sabe do sorriso farto, da alegria, da esperança que sempre marcaram sua vida. Deixará muitas saudades, mas sobretudo o exemplo de firmeza, de generosidade, de talento e de serva do Deus Vivo.
O velório aconteceu na Assembleia de Deus do Avivamento na Avenida Cora de Carvalho.
Seu corpo descansa em paz, no cemitério de São José, no bairro Santa Rita.
Nossas condolências à família enlutada!
Fonte: Informações da família
Foto: Arquivo pessoal

MEMÓRIAS DO ESPORTE AMAPAENSE: Associação Recreativa Padre Vitório Galliani

  Por Adriana Ayres ”Há exatamente 35 anos, no dia 15 de janeiro de 1986 os amigos Adalto Góes, Ademilson Pereira, Alcione Carvalho, José ...