sábado, 31 de dezembro de 2011

Último dia do ANO VELHO!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Contagem Regressiva: Falta 1 dia, apenas

Há 46 anos: D. José Maritano era nomeado Bispo Prelado de Macapá

Em 30 de dezembro de 1965.
(Foto: Reprodução de arquivo)

Giuseppe Maritano, ou simplesmente José Maritano, foi o segundo bispo prelado de Macapá e o primeiro bispo diocesano. Nasceu em Piemonte, na Itália, em 18 de março de 1915. Foi ordenado padre em 1939. Em 30 de dezembro de 1965 foi nomeado bispo prelado de Macapá,...
(Foto: Reprodução de arquivo)
... tomando posse em 19 de março de 1966(foto). Governou a Prelazia de Macapá até 14 de novembro de 1980, quando a prelazia foi transformada em Diocese, tornando-se José o primeiro bispo diocesano, até 31 de agosto de 1983.
A Lancha Amapá, chega ao trapiche Eliezer Levy, levando a bordo Dom José Maritano, em 18 de março de 1966.
No dia seguinte, ele tomou posse como segundo Bispo Prelado de Macapá.
Presentes na Lancha: Sr. Marcos Farias dos Santos (pai do Heraldo Amoras e funcionário da SUSNAVA) de camisa branca, calça cinza e de bigode; a criança com touca preta na cabeça é Haidee Amoras (irmã de Heraldo); a adolescente com chapéu preto, na frente do barco é Halda Amoras (outra irmã do Heraldo); Ao centro, com batina escura Dom José Maritano; ao lado direito dele (de batina branca) está o Padre Ângelo Biraghi e  atrás de D.José, de batina branca, óculos e chapéu o  Irmão Francisco Mazolene . As demais pessoas não foram identificadas.

(Foto: Reprodução/Arquivo Diocese de Macapá)
Ano 1966 - Dom José Maritano - 2º Bispo Prelado de Macapá - beija o solo de Macapá, por ocasião de sua chegada ao Território Federal do Amapá.
Várias autoridades civis e eclesiásticas foram recepcioná-lo.
No registro fotográfico vemos: Sr. Elfredo Távora Gonçalves (esq. de óculos), General Luiz Mendes da Silva (Governador do TFAmapá) e sua esposa Sra. Iná Mendes da Silva (vestido e óculos escuros); Cabo Alfredo Oliveira (Prefeito de Municipal de Macapá, na época);à sua frente Sr. Marcelo Cândia (construtor de importantes obras sociais no Amapá); Sr. Miracy Maurício Neves; Dom Alberto Gaudêncio Ramos - Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará; o sacerdote barbudo ao lado de D. Alberto é Dom Arcângelo Cercqua - 1º Bispo Prelado de Parintins/PA e (dir) Dom Aristides Piróvano (1º Bispo Prelado de Macapá), entre outros.

Chegou em Macapá no dia de seu aniversário (18 de março), em 1966, e nesse mesmo ano criou a paróquia de Jesus de Nazaré, desmembrando-a da de São José, São Benedito e Nossa Senhora de Fátima. Nesse mesmo ano inaugurou a então capela de Jesus de Nazaré, no bairro de mesmo nome, que deu origem à Igreja Matriz da paróquia, em 1976. Em 1968 inaugurou, em Macapá, a primeira capela de Nossa Senhora Aparecida, no Pacoval. A nova igreja, já em alvenaria, foi inaugurada por ele, mais tarde, em 1976. O Cruzeiro do santuário foi fincado em 1967. Nesse mesmo ano, em abril, inaugurava em Macapá a capela de Santa Rita, localizada no mesmo terreno do Abrigo de São José, em alvenaria, de propriedade do Governo do Amapá, e pertencente à paróquia de Nossa Senhora de Fátima.
Em 03 de outubro de 1969 conseguiu, com o generalato de Roma, a fundação de mais uma comunidade religiosa feminina em Macapá: Irmãs de Nossa Senhora Menina, no Hospital São Camilo. Em 1970 reinaugurou, em Macapá, a Igreja do Perpétuo Socorro, no bairro do Perpétuo Socorro (antigo Igarapé das Mulheres), inaugurada em 1958 pelo padre Vitório Galliani.
Em 1971 inaugurou, em Macapá, na comunidade de Campina Grande, a capela de São Benedito. Em 1972 inaugurou, em Macapá, a capela de Nossa Senhora do Carmo, pertencente à paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Lagoa dos Índios.
Em 1974 inaugurou, em Macapá, a Igreja da Paróquia de São Pedro, em Alvenaria. Mas ela só foi declarada sede da paróquia em 1978. Nesse mesmo ano inaugurou a capela de Santo Antônio, na rua Odilardo Silva, no bairro Central, e um centro comunitário localizado nesse mesmo endereço, que recebeu o nome de Centro Comunitário Padre Carlos Bassanini. Em 1977 inaugurou, em Macapá, na comunidade de Ilha Redonda, Município de Macapá, a Capela de São Sebastião.
Em 23 de julho de 1978 criou, em Macapá, a paróquia do Sagrado Coração de Jesus, no Buritizal, desmembrando-a da paróquia de Nossa Senhora da Conceição, no bairro do Trem. Em 1º de outubro criou, em Macapá, a paróquia de São Pedro, no Beirol, desmembrando-a da paróquia de Nossa Senhora da Conceição, no Trem. Em 1979 inaugurou, em Macapá, na região da Pedreira, a capela de São Francisco das Chagas, na Casa Grande. Em 3 de junho criou, em Santana, a paróquia de Nossa Senhora de Fátima e dos santos Ambrósio e Carlos, no bairro Vila Maia.
Em 1980 reinaugurou, em Santana (Igarapé da Fortaleza), a capela de Cristo Rei, inaugurada em 1972, ainda em madeira. Ela foi construída pelo padre Francisco Usai. Nesse mesmo ano, em agosto, pede bênçãos e lança, em Macapá, a pedra fundamental de construção da Igreja da Santíssima Trindade, no bairro Nova Esperança. Em 14 de novembro, com a transformação da Prelazia de Macapá em Diocese, foi nomeado primeiro bispo diocesano, tomando posse em 5 de julho de 1981. Governou a Diocese até 31 de agosto de 1983. Em 1981 inaugurou, em Macapá, a Igreja do Divino Espírito Santo, no Buritizal, construída pelo padre Dante Bertolazzi, em 1978. Nesse mesmo ano pede bênçãos a Deus e inaugura em Macapá a capela de São João Bosco, no Buritizal, construída pelo padre Dante Bertolazzi.
Em 1982 inaugura e benze a Igreja de São Francisco, no bairro Santa Rita, em Macapá. A construção foi iniciada em novembro de 1979, sob coordenação do padre Ângelo Da Maren. Nesse mesmo ano erige a paróquia de Cristo Libertador, em São Joaquim do Pacuí, desmembrando-a da paróquia de São José, em Macapá. Em 24 de agosto de  1983, transfere-se para a Colônia Hanseniana do Prata, no Pará, para a Pastoral do Hanseniano.
Sua vida foi sempre plena de muitos serviços prestados à Igreja Católica e ao "seu povo".
Dom José Maritano, faleceu em Roma aos 77 anos, por problemas cardíacos, em 27 de dezembro de 1992.
Fonte: Coisas do Amapá – Edgar Rodrigues

(Repaginado em 30/12/2011)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Contagem Regresiva: Faltam 2 dias...

Dona Irene Pinto Pereira

(Foto: Reprodução de livro)
A matriarca da família Pereira, Irene Souza Pinto, nasceu na localidade paraense de Furo Grande, Ilha do Marajó, no dia 18 de setembro de 1923, filha de Júlio Cesar Pinto e D. Valentina Neves de Sousa Pinto.
Irene, desde muito nova, aprendeu o que era enfrentar e vencer as dificuldades da vida. Aos seis meses perdeu os pais. Aos 15 anos ficou órfã juntamente com mais seis irmãos.
Foi naquela época que conheceu Otaciano Bento Pereira, morador da cidade de Mucuripe, no Pará. Com a morte dos pais de Irene, Otaciano resolveu marcar a data do casamento: 20 de julho de 1940. Nome de casada: Irene Pinto Pereira.
Em seguida vieram os filhos e a necessidade de colocá-los na escola. Foi quando o casal decidiu ir para Macapá. Irene enfrentou 15 gestações com 14 partos normais e somente um cesariano. Dessa união nasceram os filhos: Heleni, Haroldo, lnerine e Ana Delsa. Os demais  nasceram em Macapá: Luiz Alberto, José Arcângelo, Lília Ruth, Lúcia Tereza, Otaciano Júnior e Júlio Maria que faleceu bruscamente, abalando e ferindo duramente o casal. Era o ano de 1947, sendo o então prefeito de Macapá Jacy Barata Jucá, compadre de Otaciano que lhe ofereceu um terreno.
Otaciano madrugava em busca do trabalho enquanto Irene tomava conta da prole. Assim, os negócios foram aparecendo como a construção de 40 casas de madeira na Fazendinha, bar, sorveteria, açougue, peixaria, sapataria, comércio de secos e molhados, transporte fluvial, agricultura, o primeiro peg-pag da cidade, comércio em Santana, Betral, Jornal do Dia e Editora Gráfica O Dia S/A. No ramo automobilístico a expansão foi gigantesca. Finalmente surgiu o Grupo Orion Empreendimentos, representado atualmente por cinco marcas: Fiat, Nissan, Renault, Ford e Honda.
Após o falecimento de  Otaciano Pereira, Irene continuou uma conselheira sensata com filhos, netos e outros familiares.
Rodeada de nove filhos, 27 netos, 14 bisnetos e dezenas de afilhados, Irene tinha uma rotina de dar inveja. Fervorosa e temente a Deus, acordava cedo e logo iniciava suas orações.
Frequentava várias igrejas da capital, com destaque para a dos Capuchinhos e a Fundação Padre Pio. Não desgrudava do terço benzido pelo Papa e a qualquer hora do dia fazia suas orações. Vaidosa e sempre bem arrumada, gostava de ir pelas manhãs ou à tarde para o Jornal do Dia, onde também fazia suas preces. Uma boa conversa com filhos e familiares aos domingos à noite era uma de suas grandes felicidades.
Irene Pinto Pereira, faleceu dia 19 de dezembro de 2011, aos 88 anos,  no Hospital São Camilo, onde estava internada há quase um mês. O velório aconteceu no Plenário da Assembleia Legislativa do Amapá.
Seu sepultamento ocorreu às 16 horas, da terça-feira 20, no cemitério de Nossa Senhora da Conceição, no centro de Macapá.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Contagem Regressiva: Faltam 3 dias...

Vereador Júlio Maria Pinto Pereira

(Foto: Reprodução de arquivo)
Júlio Maria Pinto Pereira, nasceu em Macapá no dia 21 de setembro de 1954, filho do casal lrene/Otaciano Bento Pereira. Estudou na Escola Paroquial São José e no Ginásio de Macapá. Prosseguiu posteriormente o estudo de Direito no CEAP, parando no 3º ano. Com 22 anos de idade candidatou-se a vereador pelo Município de Macapá e foi eleito, chegando a Presidente da Câmara de Vereadores no período de 1982/84. No ano de 1987 foi ao Rio de Janeiro para articular com o político Leonel Brizola, o que resultou na fundação do Partido Democrático Trabalhista - PDT do Amapá, concorrendo às eleições para o cargo de Prefeito de Macapá. Idealizou a criação do Jornal do Dia no ano de 1990 que, posteriormente, passou a circular diariamente. Esse jovem cheio de vida e de ideias foi acometido pela malária, que em poucos dias consumiu todas as suas energias, vindo a falecer no dia 24 de julho de 1994, deixando viúva a professora Heloísa Helena e órfãos os filhos Cristiani, Juliano, Júlio Augusto e Marcos Adolfo. O Amapá perdeu Júlio Maria Pinto Pereira que muito cedo passou a se destacar no cenário político e de comunicações, merecendo ter seu nome entre os personagens ilustres do Amapá.
Fonte: Livro "Personagens Ilustres do Amapá" Vol. 1, de Coaracy Barbosa, edição de 1997.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Contagem Regressiva: Faltam 4 dias...

O Pioneiro Otaciano Bento Pereira

(Foto: Reprodução de arquivo)
O Pioneiro Otaciano Bento Pereira nasceu na localidade de Mucuripe, Pará, em 18 de setembro de 1917, e aos 13 anos de idade já cuidava das plantações de seu pai, octogenário e sem forças para trabalhar.
Era uma tarefa difícil, mas soube administrar o seu lar e as terras, levando a bom termo os negócios da família. Estava com 23 anos quando se casou com a jovem Irene, paraense, no dia 20 de julho de 1940. A criação do Território do Amapá veio abrir as portas para aqueles que desejavam trabalhar. Otaciano foi um desses pioneiros, chegando a Macapá, na véspera do Círio de 1947, onde fixou residência. Por ser a agricultura a área em que possuía experiência, deu início ao plantio de arroz na localidade de Santana, cujo resultado superou todas as expectativas, colhendo mais de 400 sacas que armazenou em um galpão e comercializou logo em seguida.
Construiu a primeira usina de beneficiamento de arroz particular, competindo com a do governo, instalada na Fazendinha. A partir desse momento, passou a desenvolver outras atividades entre as quais se destacam: construção de um armazém de secos e molhados e ferragens que denominou "Armazém São Paulo", cuja gerência entregou ao seu filho Haroldo; instalou um frigorífico; uma empresa de torrefação de café; uma granja de gado leiteiro; uma granja criatória de suínos e outras tentativas de pequenos empreendimentos, até chegar à fundação do primeiro jornal diário do Amapá, o "Jornal do Dia" em 4 de fevereiro de 1987; a instalação da gráfica do Jornal do Dia; a BETRAL construções; a BETRAL Veículos, concessionária da FIAT; a empresa H. P. Construções, a Escola Pequeno Polegar, todas administradas por seus filhos Haroldo, Heleni, Maria lnerine, Ana Delsa, Luiz Alberto, José Arcângelo, Lília Ruth, Lúcia Tereza e Otaciano Júnior. O seu momento mais triste no Amapá foi a morte brusca de seu filho Júlio Maria Pinto Pereira, politico, ex-Vereador do Município de Macapá e idealizador da criação do Jornal do Dia, fato que enlutou toda a família. Otaciano desde o momento em que chegou a Macapá, participou dos principais eventos, destacando-se: na fundação da Associação Comercial, do Clube dos Diretores Lojistas, da Companhia Amapaense de Telefones e da Companhia de Eletricidade do Amapá - CEA. Colaborou com os programas sociais organizados pelo Rotary Clube, Lions Clube e Legião Brasileira de Assistência - LBA; apoiou a política do Coronel Janary; colaborou com os clubes esportivos, com os grupos escoteiros e com os padres do PIME. Toda essa sua atividade e esse seu comportamento passaram a merecer o respeito e a admiração dos amapaenses.
Otaciano Bento Pereira, que sofria de hipertensão arterial e edema agudo do pulmão, faleceu - aos 88 anos - na manhã do domingo 23 de abril de 2006, em Belém do Pará.
Fonte: Livro "Personagens Ilustres do Amapá, Vol. 1" - do jornalista Coaracy Barbosa, e pesquisa na internet.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Contagem Regressiva: Faltam 5 dias...


Antes e Depois: Cruzamento da Rua são José com Av. Presidente Vargas, em Macapá

( Foto: Reprodução de arquivo )
Antes: Veja como era o Cruzamento da Rua São José com Av. Presidente Vargas, no Centro de Macapá, nos anos 50.
( Foto: Reprodução do blog Canto da Amazônia )
( Foto de Fernando Canto, reproduzida do blog Canto da Amazônia )
Depois - Veja o mesmo trecho da São José com a Presidente Vargas, no centro de Macapá, no início de 2011.

domingo, 25 de dezembro de 2011

ESPECIAL:

sábado, 24 de dezembro de 2011

ESPECIAL:

Recados

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Professores em Festa

(Foto: Reprodução do blog Canto da Amazônia )
Foto sem data definida, extraída do blog do Fernando Canto, apresenta professores em festa. Não sabemos o motivo. Entre eles estão, da esquerda pra direita, de copos na mão: 1 - Antônio Pontes, 2 - Sancho Lobato (irmão do prof. Edésio Lobato), 3 - Jorge Colares; 4 - Milton Correa e 5 - Benedito Marinho, (conhecido como Formiga).

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Pioneiros da Segurança Pública no Amapá

(Foto pertencente ao acervo particular do advogado Adelmo Caxias)
Nesta foto reproduzida do blog da Alcinéa Cavalcante, vemos à esquerda, o inspetor Antero Picanço Furtado; atrás dele o Manoel Gentil, grande pioneiro da Guarda Territorial e o Sr. calvo de camisa branca, é o  delegado Teobaldo Rodrigues de Souza. Eles faziam uma possível diligência policial, no tempo da Divisão de Segurança e Guarda no então Território Federal do Amapá.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

AMIGO LEITOR:


SE VOCÊ TEM FOTOS ANTIGAS SOBRE A MACAPÁ DE OUTRORA, E QUER CONTRIBUIR COM O PORTA-RETRATO,
ENTRE EM CONTATO CONOSCO PELO E-MAIL:
jolasil@gmail.com OU PELOS FONES TIM(12) 8152-3757 OU CLARO (12) 9220-5236.

Pioneiros: Osmar Melo e Jomasan

O registro fotográfico é de 1987 e foi recortado das páginas do Jornal do Dia, pelo amigo Paulo Tarso Barros que a publicou em seu Mural, no Facebook.
Nosso saudoso Osmar Melo – que fez muito sucesso através da Rádio Difusora de Macapá e da Rádio Educadora São José – principalmente depois da parceria com o Ermínio Gurgel quando criaram a dupla “Pai Véio e Pai D'Égua” que acordava a população de Macapá. Quantas saudades!
Ao seu lado outro, não menos famoso, cantor e baterista (Joviais, Cometas, Mocambos) dos anos 60 em Macapá. José Maria Santos o hoje consagrado Jomasan - cantor internacional residente na Guiana Francesa.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Baile das Debutantes no ex-TFA

Esta outra foto, postada pela Alcinéa Cavalcante em seu blog, traz o registro fotográfico  de um dos momentos em que as jovens, mocinhas da Macapá-antiga, se reuniam para participar de algum evento de beleza.
Na foto de 1974, estão perfiladas em frente ao antigo Macapá Hotel, dez candidatas participantes do Baile das Debutantes, promovido pelo Círculo Militar, cuja sede social localizava-se atrás da Fortaleza de São José de Macapá. A foto foi batida para um jornal da época.
(Foto: Reprodução do blog da Alcinéa)
Da esquerda pra Direita: 1 – Leila, (neta do Seu Casemiro da Casa Leão do Norte), 2 – Betina Cruz;  3 - Ana Rosa Colares; 4 – Conceição Pinheiro (filha do Sr. Manoel Pinheiro da Casa Estrela no antigo bairro da Favela): 5 – Marcli (esposa do radialista Zaire Filho, de Belém); 6 – Lourdes Abdon:  7 – Marilda  Martins; 8 – Fátima; 9 – Rosângela Pinho e  10 – Jane Houat.
Se alguém conhecer as meninas, pode confirmar ou corrigir os nomes e/ou a ordem numérica.
Se preferir pode encaminhar as observações para o jolasil@gmail.com ou utilizar o espaço dos comentários.
Precisamos desse reconhecimento pois há nomes a serem confirmados.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

DO BAÚ DO FERNANDO: Charme e beleza sob o sol do equador!

( Foto: Revista Latitude Zero nº 1 - Edição; agosto de 1969, reproduzida do blog Canto da Amazônia )
Esta eu achei no fundo do Baú Histórico do amigo Fernando Canto! É mais uma raridade de seu acervo pessoal que eu reproduzí do seu blog Canto da Amazônia.
Vejam se vocês recordam dessas beldades da época, em pose especial para as lentes da revista “Latitude Zero” nº 1, editada em agosto de 1969: Da esquerda para a direita: Marli Campbell, Filomena, (?), Neusinha Campbell, Heliete Silva e Nilza Amanajás, na praia de Fazendinha.
Se alguém se lembrar do nome da numero 3 por favor nos informe pelo jolasil@gmail.com, ou deixe registro nos comentários.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Quatro Pioneiros do Amapá: Espíndola, Elfredo, Moysés e Otaciano

Reproduzimos hoje, uma foto (recorte de jornal) publicada pelo amigo Paulo Tarso Barros em seu Mural, no Facebook.
Temos a imagem de  4 pioneiros do ex-Território do Amapá, que muito contribuíram com o progresso daquela terra.
São eles: João Espíndola Tavares (já falecido), funcionário público territorial e entre outras funções foi delegado de polícia, diretor da Penitenciaria Agrícola do Estado (hoje Iapen), e também Prefeito de Mazagão;
O paraense Elfredo Távora Gonsalves é uma testemunha viva da história do Território do Amapá desde a sua criação, em 1943, até os dias atuais. Escritor e experiente jornalista trabalhou ao lado do saudoso Amaury Farias, no Jornal A Folha do Povo, de 1959 até 1964. Aos 89 anos, Elfredo Távora Gonsalves resolveu lançar, em fevereiro de 2011, o livro “Folhas soltas do meu alfarrábio - um livro para meus filhos”;
O macapaense Moysés Zagury(falecido) trabalhou na Casa "Leão do Norte", foi agente em Macapá das empresas aéreas "Cruzeiro do Sul" e Varig, instalou a primeira sorveteria em Macapá denominada "Sorveteria Central", que localizava-se na confluência da Rua Cândido Mendes e Av. Mário Cruz, praça Veiga Cabral, foi um dos fundadores do Flip Guaraná, da Escola Comercial do Amapá e da Associação Comercial do Amapá além da Companhia Amapaense de Telefones – CAT;
Otaciano Bento Pereira(também já falecido), entre outras atividades, foi comerciante de secos e molhados e ferragens nos primeiros anos do Território do Amapá até chegar à fundação do “Jornal do Dia” – o primeiro diário do Amapá, da empresa Betral – construções e veículos e outros empreendimentos.
Fontes: De Rocha, Literatura do Amapá, link

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Do fundo do baú!

Amigo jornalista amapaense e blogueiro João Silva, publicou em seu blog, mais uma relíquia de seu baú histórico e nós compartilhamos com vocês, aqui no Porta-Retrato:
Ele explica a legenda: "Trago hoje uma relíquia de 1966, época em que os jovens desse registro em preto e branco pertenciam a uma instituição chamada informalmente de Casa dos Padres; poderia dizer também que eram jovens craques do Juventus Esporte Clube reunidos para uma foto diante da Prelazia de Macapá, onde moravam os sacerdotes da Igreja Católica, inclusive o Bispo Prelado de Macapá, bem alí na Praça Veiga Cabral; em pé, da direita para esquerda: Nilton (Piroquinha), Célio Paiva, José Maria Franco (falecido), Antoninho Amaral (Dente de Cão) e Haroldo Vitor Santos (Tio Ponga). agachados: J.Ney, Orlando Tôrres, Edmar, Sabará e Penafort. Bons tempos que não voltam mais...!(João Silva)
Texto e foto reproduzidos do blog do João Silva

Link relacionado: Do fundo do baú!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Ex-governador Nova da Costa completa 86 anos de vida. Parabéns!

Jorge Nova da Costa é ex-governador do Território Federal do Amapá e o atual primeiro suplente do senador José Sarney. Na terça-feira, dia 13/12, celebrou seus 86 anos de vida. Morando em Brasília e católico praticante.
(Foto Reprodução/Amapá no Congresso)
Nascido em São Luís do Maranhão, católico fervoroso, pai dedicado e apaixonado por dona Yeda, sua esposa(foto), Nova da Costa tem longa carreira e grandes serviços prestados ao País. Formado em Agronomia na Universidade Rural do Brasil (RJ) e em Ciências Econômicas na Universidade Federal de Minas Gerais, Jorge Nova da Costa também foi superintendente da Sudeco (Desenvolvimento do Centro-Oeste) e da Sudene (Desenvolvimento do Nordeste), entre 1974 e 1985, tendo governado o então Território do Amapá por três anos e quatro meses, durante o período de sua transição para Estado.

Curso para servidores do ex-Território do Amapá

Estas duas fotos compartilhadas – via e-mail - pelo nosso leitor Bruno Barbosa Papaléo, foram tiradas na varanda do Palácio do Setentrião no mês de agosto de 1978, no término de um curso de Planejamento Governamental promovido para servidores do Governo do ex-Território Federal do Amapá, com apoio do NAEA - Núcleo de Altos Estudos da Amazônia, da Universidade Federal do Pará.
Na foto 1 - A partir da esquerda estão agachados na primeira fila: Rodolfo Juarez, José Maria de Lima, Edson Sarges, Francisco Paiva, Marcio Massataka Onuka; Na segunda fila de pé: Luiz Cauby Correia, Bruno Barbosa Papaléo; Manoel Camarão-funcionário da SEEC; Cláudio Fernandez Vasquez, Nilce Dias, Célio Jackson, Nelson Salomão, Alberto de Andrade Uchôa; Na terceira fila: Carlos Martins, Emerson, Nestlerino dos Santos Valente e Jerônimo Correia Sodré. 

Na foto 2 - A partir da esquerda estão agachados: Secretário Antero Duarte Lopes, Governador Artur Azevedo Henning, empresário Jarbas Gato; Na segunda fila: Márcia (vestida de conjunto branco); Ana Torres servidora da SEEC; Graça Oliveira, Maridalva, Luiz Cauby Correia, Manoel Camarão, Rodolfo Juarez, Heitor Picanço Junior, Rosa, Marcio Massataka Onuka, Francisco Paiva; Na terceira fila: Hemerson, José Maria de Lima, Nestrelino dos Santos Valente, Jerônimo Correia Sodré, Cleodon José Barbosa Santana; Na última fila: os mais altos, Célio Jackson, Bruno Barbosa Papaléo, Cláudio Fernandez Vasquez, Carlos Martins Edson Sarges.
(Última atualização dia 16 de dezembro de 2011)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Antigos Assessores do Gabinete do Governador

(Foto reproduzida do blog da jornalista Alcinéa Cavalcante)
Anos 80 - Da esquerda para direita: 1 – Anita(mora em Belém), 2 - Alzira Neuza(falecida), 3 - Carlos Cordeiro Gomes (atrás - falecido); 4 - Hélio Penafort (falecido); 5 – Sônia Amaral; 6 - Nazaré (Nay – mora em Belém); 7– na época Ten. Pereira; 8 – Vera Costa; 9 – Maria do Carmo;  10 – Cleia (a confirmar).
São assessores do Gabinete do Governador Annibal Barcellos, quando ele foi Chefe do Executivo do Amapá, na época do ex-Território Federal.
Quem quiser pode confirmar ou retificar algum dos nomes.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Pioneiros reunidos

(Foto: Reprodução de jornal / Arquivo)
Nesta foto, recortada do Jornal "O Liberal", vemos alguns pioneiros de Macapá, da época do ex-Território Federal do Amapá: da esq. p/direita: o jornalista Carlos Cordeiro Gomes ("Segura o Balde" -  sorrindo); ao centro, no fundo da imagem (careca, de camisa branca) o jornalista Hélio Penafort; em pé (de camisa branca, manga comprida) o eclético radialista Pedro Afonso da Silveira, competente e festejado leitor da Crônica "O Assunto é o Seguinte", escrita pelo poéta e cronista Alcy Araujo e lida, de segunda a sexta-feira, através da Rádio Difusora de Macapá.
As demais pessoas não conseguimos lembrar os nomes.
Se alguém as conhecer pode informar pelo jolasil@gmail.com, ou deixar na caixinha de comentários.

sábado, 10 de dezembro de 2011

ESPECIAL: FRANCISCA LUZIA DA SILVA, A MÃE LUZIA

(Foto: Reprodução / Mural do Facebook)
Nota do Editor - Esta fotografia - rara - foi compartilhada pelo amigo Paulo Tarso Barros. É de uma senhora idosa, que realmente se parece com a única imagem da Mãe Luzia, que havia sido publicada até então. Segundo Paulo Tarso, nem os parentes dela, consultados por ele, souberam afirmar com precisão. Diante da dúvida consultamos o historiador Nilson Montoril que também não teve como assegurar que realmente esta foto seja de Mãe Luzia. Mas, partindo do princípio da semelhança fisionômica das imagens, e, principalmente do detalhe da gola e dos dois botões de seu vestido, acreditamos que essa senhora da foto acima seja realmente a Mãe Luzia. Se alguém tiver confirmação de quem se trata por favor escreva para o e-mail jolasil@gmail.com. João Lázaro

Por Nilson Montoril (*)

                   Francisca Luzia da Silva tinha suas raízes em Mazagão Velho, onde nasceu a 9 de fevereiro de 1869. Nunca foi escrava e deve descender dos cidadãos que viviam no castelo de Mazagão, no Marrocos e que Portugal fez migrar para a Amazônia. Foi casada com Francisco Lino da Silva, um macapaense que obteve a patente de capitão da Guarda Nacional e foi Prefeito de Segurança da cidade de Macapá. O casal teve vários filhos, entre eles Tia Águida, Tia Milica, Cláudio Lino, este último pai do Francisco Lino da Silva, o Lino da Universidade de Samba Boêmios do Laguinho. A família tinha duas propriedades  produtivas. O sitio “Capitão”, homenagem a patente do marido e o “RetiroMatapi”, na Campina Grande. No sítio Capitão a família colhia frutas, plantava diversos produtos e coletava leite de seringueira. Só faziam isso no verão. O sítio Capitão ficava no Rio Vila Nova, Município de Mazagão. O Retiro Matapi, localizado na margem esquerda do Rio Matapi, foi vendido ao senhor Francisco Torquato de Araújo, seu conterrâneo de Mazagão e hoje pertence à família Rocha. Devidamente autorizada pelos intendentes de Macapá, mãe Luzia possuiu roças de mandioca, cará e batata doce na área adjacente ao Poço do Mato, então importante manancial de água potável da qual se servia a população de Macapá.
(Foto: Reprodução do Google books)
(Foto reproduzida do Livro Mulheres Negras do Brasil,
de Schuma Schumaher e Érico Vital Brazil, via Google books)
A gravura acima é a reprodução de uma  pintura feita pelo artista plástico R. Peixe. Consta que ele pintou o quadro baseado numa fotografia de Tia Milica e nas descrições feitas pelos parentes e pelo poeta Álvaro da Cunha. Na foto do livro, existe o registro  de que o Quadro "Mãe Luzia" pertence ao acervo do Governo Estado do Amapá.
                  Mãe Luzia, como era chamada Francisca Luzia da Silva, também se devotou aos desvalidos, ministrando-lhes remédios caseiros, benzendo crianças, curando espinhela caída, cobreiro, carne rasgada, erisipela e problemas da cabeça. Nasceu com o divino dom de “aparar” crianças e nenhuma delas pereceu em suas mãos. Foi contemporânea da Vó Guardiana, a quem auxiliava na condução dos partos. Quando Vó Guardiana morreu, Mãe Luzia ficou atendendo sua clientela. A casa de Mãe Luzia tinha estrutura em taipa de mão, com vários quartos que ela alugava para caixeiros viajantes e romeiros. Era um casarão de telhado alto situado na esquina da Avenida Mendonça Furtado com a Travessa Francisco Caldeira Castelo Branco (depois Coronel José Serafim Gomes Coelho e atualmente Tiradentes), com frente para o Largo dos Inocentes, também denominado Formigueiro.
                   Mesmo quando o médico obstetra Cláudio Pastor Darcier Lobato veio para Macapá e passou a chefiar a Unidade Mista de Saúde (ficava onde foi construída a Biblioteca Pública), Mãe Luzia não foi relegada. Em várias oportunidades o ilustre médico recorreu aos conhecimentos práticos da Mãe Preta da Cidade de Macapá. Sem a posse de suas antigas propriedades rurais, Mãe Luzia precisou lavar e engomar roupas brancas de linho, coisa que ela fazia com perfeição. Sua clientela incluía o Governador Janary Nunes, o Promotor Público Hildemar Maia, o Juiz de Direito José de Ribamar Hall de Moura e muitos outros cidadãos ilustres de Macapá que, nas solenidades mais expressivas, usavam ternos brancos. Por ocasião da festa alusiva a São José, até os macapaenses mais humildes recorriam aos serviços de Mãe Luzia. Quase todo mundo usava roupa branca. Algumas pessoas fantasiosas insistem em dizer que Mãe Luzia foi escrava e por causa disto tinha marcas de chicotadas nas costas. Pura fantasia. Ela costumava lavar roupas sem usar a parte superior de sua vestimenta e quem a via assim jamais lhe faltou com respeito. O quintal de sua residência era paralelo a Rua Tiradentes e não tinha cerca. Quando se debruçava sobre a gamela, esfregando as roupas, seus seios flácidos se misturavam a elas. Eu conhecia muito bem a casa da Mãe Luzia. Volta e meia estava por lá na companhia do amigo Raimundo Nonato da Silva, o “Bigode”, seu neto. Aliás, Mãe Luzia teve um filho com o mesmo nome, cujo apelido era “Bucú”, e que foi vítima fatal de um disparo acidental de revólver pertencente a um caixeiro viajante que ele mostrava a alguns amigos no canto da Igreja de São José. Mãe Luzia sofreu muito com a morte do filho. A porta de entrada dava num longo corredor que se estendia até a porta do quintal. Os quartos e a cozinha ficavam do lado direito de quem entrava no imóvel. Pelo menos dois quartos da frente eram alugados a terceiros.  Quando íamos apanhar grumixama (também chamada ameixa, jamelão e azeitona de cabrito) ela gritava: “ Pera aí, seus cornos, vocês já vão manchar de nódoa as minhas roupas do quaradouro?”. Faleceu dia 23 de setembro de 1957, com 88 anos de idade. Estava alquebrada e tinha os cabelos brancos como um nicho de algodão. Sua morte deixou os moradores de Macapá imersos em profunda tristeza. O enterro ocorreu no Cemitério Nossa Senhora da Conceição, a direita de quem ingressa naquele campo santo, rente ao passeio que leva ao Cruzeiro e a capela. O corpo de Mãe Luzia foi inumado na mesma sepultura onde se encontrava o José Lino. A morte de Mãe Luzia encerrou o ciclo das renomadas parteiras e mulheres de múltiplos conhecimentos com plantas medicinais. Ela e Guardiana Mendes da Silva, a Vó Guardiana despontam como verdadeiros anjos benfazejos da comunidade macapaense. Vó Guardiana ou Guardina teve vida longa, alcançando 102 anos de idade. No local da primeira casa de Mãe Luzia ainda mora uma das suas neta. O imóvel que ela ocupou até morrer foi desapropriado em 1970, para o alargamento da Rua Tiradentes. Na parte do terreno que não virou leito de rua foi erguido um prédio em alvenaria onde funcionou o Cartório Jucá.
(Foto: Reprodução / blog do Nilson Montoril)
         Prédio onde funcionou o Cartório Jucá. Da esquerda para a direita vemos os senhores Ben Hur Corrêa Alves, (escriturário), Francisco Torquato de Araújo (Escrevente Juramentado), Cícero Silva (comerciante e vizinho do Cartório) e Jacy Barata Jucá (Tabelião Substituto). Todos conheceram Mãe Luzia e eram seus amigos. O imóvel foi construído absorvendo uma parte do que restou da sua casa. Francisco Torquato, de camisa branca, era mazaganense e conterrâneo.
(*)  historiador, professor, blogueiro e radialista amapaense 


Leia também     

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

O Pioneiro Moysés Zagury

(Foto: Reprodução de livro)

O Pioneiro Moysés Zagury, nasceu em Macapá, no dia 2 de julho de 1920, filho do comerciante Leão Zagury e D. Sarah Roffé Zagury. Estudou o curso primário com os professores Valmon e Travassos, o ginásio no Colégio Paes de Carvalho em Belém-Pará, onde prestou exames de admissão e foi aprovado em 1933. Ingressou no Instituto Nossa Senhora de Nazaré, diplomando-se no curso de Humanismo em 1939. No ano seguinte matriculou-se na Escola Prática de Comércio formando-se em guarda-livros no ano de 1941. Estava no último ano quando foi nomeado para o cargo de fiscal do Instituto de Aposentadoria e Pensões da Estiva no dia 13 de janeiro de 1940. Retornou para Macapá no ano de 1942, passando a trabalhar na Casa "Leão do Norte", administrada por sua mãe desde a morte de seu pai no ano de 1930. Criou com seu irmão Isaac Jayme Zagury a firma Moysés Zagury & Cia. Ltda., e assumiram a representação da empresa aérea "Cruzeiro do Sul" em 31 de maio de 1945 e mesmo sendo essa empresa negociada pela Varig, continuou a ser o seu Agente em Macapá, administrando todos os eventos ocorridos, ressaltando o primeiro pouso noturno em 12.02.1953 e a efetivação da linha diária Belém/Macapá/Belém a partir de 23.07.1953. Em 1947 instalou a primeira sorveteria em Macapá que denominou "Sorveteria Central", localizada na confluência da Rua Cândido Mendes e Av. Mário Cruz, praça Veiga Cabral, onde, muitos anos depois, funcionou também a representação da Varig. Com os irmãos Isaac e José Zagury fundou a firma Irza. Refrigerantes Ltda, passando a fabricar o Flip Guaraná, primeira indústria genuinamente amapaense de grande aceitação na praça,...
Stand dos Produtos Flip na Feira de Produtos Econômicos do Amapá, em 1954.
(Foto: Contribuição da amiga Sarah Zagury, sobrinha do biografado)
... tendo conquistado o 1º lugar na Feira de Produtos Econômicos do Amapá no ano de 1954. Anos depois desativaram a sorveteria e reativaram a Farmácia Zagury, fundada por seu pai em 1921, administrada pelo farmacêutico José Zagury, seu irmão. Em 3 de abril de 1947 foi nomeado para compor a comissão de Comércio composta dos senhores Lourenço Borges Façanha, Meton Jucá, Moisés Zagury e João Jansem Rodrigues. Participou da fundação da Escola Comercial do Amapá em 13 de setembro de 1949, juntamente com os membros da Associação Comercial do Amapá, fazendo parte da primeira diretoria da Escola: Srs. Paulo Remy Gillet, Diretor; Gabriel de Almeida Café, Consultor; Moysés Zagury, Tesoureiro; e Nazaira Café, Secretária. Fez parte do Corpo administrativo da Cooperativa de Preços em 25.12.1951. Membro da Comissão de Abastecimento e Preços, juntamente com os senhores Manoel Cacela Alves, Joary Munhoz Barriga, Amiraldo Elleres Nunes, Leão Sales e Procópio Oliveira. Fez parte do grupo de pioneiros que fundou a Associação Comercial, o Serviço de Proteção ao Crédito, da Companhia Amapaense de Telefones-CAT, Aeroclube de Macapá e de todas as iniciativas da sociedade ou do governo que sempre dispensou o respeito à autoridade constituída. Casou com D. Rachel Zagury em 28 de janeiro de 1953 e dessa união nasceram os filhos Leão e Sara Lúcia. Iniciado na Loja Maçônica Duque de Caxias em 24 de junho de 1950, foi venerável Mestre nos períodos de 27 de maio de 1976/77; de 1978/79; de 1982/83; de 1983/84. Recebeu o título de Grande Luz de Honra da Grande Loja Maçônica do Pará em 20/8/79. Nomeado Delegado do Grão-Mestrado do Pará em 2116/1984. Recebeu o título de Grande Benfeitor da Ordem em 16/12/86, concedido pela Grande Loja Maçônica do Estado do Pará. Realizou em março de 1986 o primeiro Seminário de Estudos Maçônicos do 11° distrito, no Centro de Convenções João Batista de Azevedo Picanço. Recebeu títulos de Benemérito da Ordem em 18/8/1988; do Clube de Acácias em 1986, da Associação Comercial e Industrial do Amapá em 1985 e 1986, da Câmara Municipal de Macapá em 1996. Medalha e Diploma de Honra ao Mérito do 4.° Distrito Naval em 1995; colaborador emérito por relevantes serviços prestados ao Círculo Militar de Macapá em 11.5.85; Diploma de Honra ao Mérito por relevantes serviços prestados ao Amapá concedido pelo Palácio do Setentrião em 25.3.1979; Diploma de Honra ao Mérito do Ministério do Interior como colaborador do Projeto Rondon nº 3 em 2.5.1969, Membro do 1º Conselho da Câmara de Comércio Internacional do Estado do Amapá em 1996. Aposentou-se em 1992, mas continuou administrando com muita experiência e lucidez a Casa Leão do Norte, a Representação dos veículos FORD e a agência da Varig. Moysés Zagury faleceu no Rio de Janeiro  no dia 12 de dezembro de 2007.
Fonte: Livro Personagens Ilustres do Amapá Vol. II - de Coaracy Barbosa - editado em agosto de 1998.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Dr. Dalton Cordeiro de Lima

(Foto: Reprodução/Google imagens)
Dr. Dalton Cordeiro de Lima, natural de São Luís, MA, nasceu em 24/5/1924.
Filho de Júlio Lima e Antonieta Cordeiro Lima.
Formou-se pela Faculdade de Direito de São Luís do Maranhão.
Foi Deputado Federal, 1964-1965 pela UDN-AP. A União Democrática Nacional (UDN) foi um partido político brasileiro fundado em 7 de abril de 1945, frontalmente opositor às políticas e à figura de Getúlio Vargas e de orientação conservadora.(Wikipédia).
Assumiu, como Suplente, o mandato de Deputado Federal para a Legislatura 1963-1967, no período de 17 de junho até 25 de setembro de 1964 e de 25 de agosto até 26 de setembro de 1965, na vaga de Janary Nunes.
Assumiu a Gerência interina e Sub-gerência do Banco do Brasil S.A.; Foi Presidente da Cia. de Eletricidade do Amapá; Advogado do Banco do Brasil.
Dalton Lima exerceu também o cargo de Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil-OAB, secção do Amapá.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

A Pioneira Alice Gorda - a eterna rainha moma do carnaval amapaense

(Foto: Reprodução de vídeo/Documentário "Batalhas de Confete")
Maria de Lourdes Guedes de Azevedo - a "Alice Gorda" - nasceu em Belém-PA, no dia 8 de março de 1934. Passou a infância e a juventude na casa dos pais, à Rua Veiga Cabral, número 114, na cidade velha. Seu primeiro emprego foi na Sorveteria “Flor de Lis”, na esquina da Rua Padre Eutíquio com a Avenida Almirante Tamandaré. Em meados do ano de 1959, passou a trabalhar com o senhor Orlando Ventura em dois estabelecimentos comerciais que ele possuía na cidade de Belém: o Hotel Coelho (que depois recebeu o nome de Vanja Hotel) e o Hotel Regina. Nesta ocasião foi designada para vir a Macapá, a serviço, porque o senhor Orlando Ventura havia arrendado o Macapá Hotel. Alice era chefe de cozinha e uma espécie de subgerente. Deveria passar três meses, mas permaneceu para sempre. Não vamos falar da Alice comerciante, desportista ou carnavalesca e sim da brava cidadã que tinha uma vontade imensa de ser escritora. O destino não lhe favoreceu nesta pretensão. Os estudos tiveram que ser interrompido porque o pai retirou-se do lar, deixando dona Felícia Silva Azevedo, sua genitora, com a missão de  desdobra-se para sustentar a família. Alice precisou trabalhar para ajudar sua mãe e por isso não avançou nos estudos.
O valor do consistente curso primário que a Alice frequentou foi fundamental na vida da rainha moma. Escrevia bem, conhecia os meandros da gramática e as quatro operações fundamentais da matemática. Ela nunca temeu a morte. Sabia que todos os seres vivos fatalmente acabarão em seus braços.                        
Sofrendo de diabetes, com o peso acima do normal e convivendo com um câncer, Alice Azevedo tinha consciência de que seu desenlace poderia ocorrer a qualquer momento.
Maria de Lourdes Guedes de Azevedo, faleceu em Macapá no dia 2 de abril de 2005.

Fonte: blog Arambaé do históriador Nilson Montoril

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Morre em Belém o médico e jornalista Leonai Garcia

(Foto: Reprodução)
Dr. Leonai Garcia
Do blog da Alcinéa:

Faleceu à noite desta segunda-feira(5) em Belém do Pará o médico, jornalista e escritor Leonai Garcia.
Leonai foi vítima de uma bactéria desconhecida, provavelmente a mesma que matou domingo a secretária de comunicação do Amapá, jornalista Jacinta  Rodrigues de Carvalho Gonçalves, e o jovem Cléber há menos de um mês, pois os sintomas são os mesmos: febre e dor no corpo evoluindo rapidamente para infecção generalizada.
No dia 31 de outubro, Leonai postou em seu blog que estava doente. “Estou com Dengue! Febre, calafrio e muito vômito”, informou. Foi o último post dele. Poucos dias depois seu estado agravou-se e ele foi internado na UTI do hospital São Camilo e de lá transferido para a UTI do Hospital Guadalupe, em Belém.
A bactéria atingiu de forma violenta primeiramente seu pulmão e depois o cérebro.
Leonai Garcia nasceu no Pará em 9 de maio de 1948. Em 1975 formou-se em Medicina e logo mudou-se para o Amapá onde constituiu família e se tornou um dos mais respeitados e conceituados pneumologistas. Amante do carnaval, Leonai foi presidente da Universidade de Samba Boêmios do Laguinho. Apaixonado por esportes, passou anos pesquisando a história do futebol amapaense e lançou ano passado o livro “Bola de Seringa”, fruto dessa pesquisa. Agora se preparava para lançar um livro sobre a história do carnaval amapaense.
Em 2009, quando Boêmios do Laguinho teve problemas nas alegorias e perdeu o carnaval, Leonai Garcia chorou na avenida.
Hoje todas as escolas de samba choram por ele
Leitor insaciável, homem culto, estudioso do Amapá,  escrevia artigos para jornais e apresentava um programa de rádio onde abordava questões relacionadas à saúde, política, carnaval e cultura.
Leonai se considerava um eterno aprendiz. Há poucos anos decidiu voltar para os bancos da faculdade e formou-se em jornalismo na faculdade Seama.
Como médico estava sempre atualizado. Nunca se acomodou, sempre fez questão de participar de congressos, seminários e cursos na sua área.
A morte de Leonai Garcia é uma grande perda para o Amapá – estado que adotou como sua terra, terra pela qual tinha uma grande paixão.
Que Deus lhe dê o descanço eterno e o conforto à família, por esta perda irreparável.

Atualização: O corpo do médico Leonai Garcia foi velado por todo dia desta quarta-feira(7) na sede da Sociedade Esportiva e Recreativa São José, no Laguinho, e seu sepultamento ocorreu às 17h,  no Cemitério N.S. da Conceição, no centro da cidade. (Volney Oliveira - via Facebook)
(Última atualização as 23h do dia 7/12/2011)

O saudoso Padre Caetano Maiello

(Foto: Reprodução/Album de família/Hélida Pennafort)
(Foto extraida do Blog da Hélida - filha do Jornalista Hélio Pennafort)
Pe. Caetano Maiello nasceu na cidade italiana de Bolzano, em 1 de outubro de 1942, entrou no instituto em Ducenta e fez seu juramento perpétuo em 24 de junho de 1950, sendo ordenado padre em Nápoles no dia 12 de agosto de 1951.
Depois de sua ordenação lecionou várias disciplinas em Aversa e Ducenta e foi redator da revista "Venga il Tuo Regno". Finalmente, no dia 04 de outubro de 1959 chegou a Macapá, um ano depois foi chamado pelos superiores e voltou à Itália trabalhando em Nápoles como animador missionário, mais no ano de 1972 retornou ao Brasil.
No Amapá, padre Gaetano Maiello fez muito pela comunicação; foi o primeiro diretor da Rádio Educadora uma das pioneiras do Estado. Em 2005 padre Gaetano Maiello retornou para Itália, devido a vários incômodos físicos, ficou muito doente e teve seu agravado. Na tentativa de um tratamento mais adequado foi transferido para Rancio di Lecco mais não resistiu e acabou por sucumbir a um Infarto. No dia 07 de janeiro foi celebrada uma missa em Rancio, para sufragar a sua alma, em seguida seus restos mortais foram transportados a Ducenta onde foi realizado o enterro.
Foram muitos os trabalhos realizados por ele no estado principalmente na área da comunicação, tendo sido diretor da Voz Católica, jornal de circulação semanal que existia na época. Era considerado o jornalista da Igreja, trabalhando acompanhado por padre Jorge Basille.
Pe. Caetano Maiello faleceu na casa PIME de Rancio di Lecco, Itália, no dia 05 de janeiro de 2009. Ele completaria no dia 06 de fevereiro, 80 anos de idade. (Cristiane Mareco - Jornal do Dia)
Fonte: blog Café com notícia
Leia a entrevista que Caetano Maiello concedeu ao Padre Paulo De Coppi para o Jornal "Missão Jovem" como "Testemunho da Vida Missionária", sob o título...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Pioneiros do Município de Macapá

(Foto reproduzida do blog da jornalista Alcinéa Cavalcante)
Nesta foto sem data, mas presumivelmente dos anos 60, temos nas imagens três funcionários antigos - pioneiros do Setor Financeiro da Prefeitura Municipal de Macapá - em plena atividade.
Conseguimos identificar os seguintes a partir da esquerda: Sr. José Picanço de Menezes (Cacú); sentado (ao centro) o Sr. Raimundo Alencar(Dico); (os dois anteriores já são falecidos) o terceiro me lembro das feições mas não sei o nome. Quem tiver alguma informação sobre ele, por favor, nos envie via e-mail ( jolasil@gmail.com ) ou deixe na caixinha de recados.