sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Autoridades na Feira da Fazendinha

(Foto: Reprodução de arquivo)
(Clique na foto para ampliá-la e visualizar melhor)
Anos 50 - Governador Janary Nunes, entre autoridades e convidados no Palanque Oficial, por ocasião de uma das Feiras de Exposição de Animais e Produtos Econômicos, na época do ex-Território do Amapá.

Entre os presentes ao palanque conseguimos identificar a Senhora Alice Déa Carvão Nunes (de blusa preta à frente do governador Janary Nunes). Dona Alice  - que mora no Rio de Janeiro - foi a segunda esposa de Janary. Ela é irmã de Iracema Carvão Nunes, primeira esposa dele, que faleceu e foi enterrada em Macapá, em 24 de julho de 1945.
Na extrema direita da foto (todo de branco)  está Coaracy Gentil Nunes, que foi o primeiro deputado do Amapá e irmão de Janary.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Transmissão de cargo de Janary Nunes a Amilcar Pereira

Foto: Reprodução de arquivo)
Ano 1956 - O Capitão Janary Gentil Nunes (à esquerda) na transmissão do cargo de Governador do Território Federal do Amapá a seu sucessor Dr. Amilcar da Silva Pereira(ao meio), na presença do Dr. Uriel Sales de Araújo(de chapéu à direita) - Juiz de Direito da Comárca de Macapá, na época.
Janary Nunes governou o Amapá de Janeiro de 1944 a Fevereiro de 1956 e Amílcar da Silva Pereira, de  Fevereiro de 1956 a fevereiro de 1958.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Arco na Entrada da 10ª Feira de Exp. de Animais e Prod. Econômicos

(Foto: Reprodução de arquivo)
Ano 1956 - Arco na Entrada da 10ª Feira de Exposição de Animais e Produtos Econômicos, realizada pelo Governo do Território Federal do Amapá, na localidade de Fazendinha. Observem que o número de bandeiras sobre o arco, coincide com o número (10) de edições do evento, naquele ano.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Entrada Principal da Fortaleza de São José de Macapá, com a antiga rampa de terra

(Reprodução de arquivo)
Anos 60 - Rampa de entrada da Fortaleza de São José de Macapá que anos depois foi retirada e trocada por uma ponte de madeira de lei.
(Repaginado em outubro de 2011)

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

"Flashes" da História: Professoras do Barão

(Foto extraída do blog Canto da Amazônia)
Anos 60 - Professoras do Grupo Escolar Barão do Rio Branco, na escada do estabelecimento.
Com a diretora Graziela Reis de Souza, secretária Raimunda Mendes (Guíta) Coutinho, professoras Elba e Maria da Saúde Pimentel Canto (mãe do Fernando Canto), a última lá em cima.
Quem souber o nome das outras mestras, por favor, deixe um comentário.

sábado, 22 de outubro de 2011

Pioneiros, em trabalho social comunitário

(Reprodução de arquivo)
Anos 50 - Vemos reunidos alguns pioneiros e personalidades da Macapá antiga, num evento da Legião Brasileira de Assistência, que foi realizado no Posto de Puericultura Iracema Carvão Nunes, que localizava-se ao lado da Residência Governamental, próximo ao Grupo Escolar Barão do Rio Branco.
Da esq. para a dir: o garoto moreninho olhando pro lado é o Joaquim Ramos, (filho do Paulino Ramos, e neto do mestre Julião Ramos) que trabalhou comigo na Rádio Difusora e na Nacional de Macapá;
Sra. Terezinha G. da Rocha Araújo, Presidente da LBA (de branco com a mão no queixo); Sra.Ivone Sardinha de Oliveira (olhando por sobre do ombro esquerdo de Sra. Terezinha); Profª Predicanda Amorim Lopes, trabalhava na Escola Normal de Macapá (de óculos, blusa branca e saia escura); Dr. Lauro Sodré Gomes - (todo de branco, em pé);
Sentada ao lado dele e de óculos escuros - Profª Esther da Silva Virgolino - (minha prima, por quem fui criado - pioneira da Educação no Amapá - foi, também,  professora na Escola Normal);
Na frente dela de terno escuro o Prefeito de Macapá (de ago/51 a nov/52) - Heitor de Azevedo Picanço, recentemente falecido;
Por cima do vaso com flores - quase sumido à direita - só a cabeça do Dr. João Teles - Promotor Público do TFA, cercado pela comunidade.
Quem conhecer mais alguém pode comentar.
(Repaginado em outubro de 2011)
(Última atualização em 7 de dezembro de 2011)

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Professoras em desfile na Fazendinha

(Foto: Reprodução de arquivo)
Ano 1946 - Professoras Guíta, Nanci, Leonor, Stela, Graziela, Carolina, Clarisse, Gugú e Cristina, abrem o desfile do então Grupo Escolar Barão do Rio Branco, por ocasião da Feira de Exposição de Animais e Produtos Econômicos, daquele ano, na localidade de Fazendinha.

Pioneira da Educação: Professora Deuzolina Salles Farias

(Foto: Reprodução / acervo da família)
(Foto extraída do álbum de Leury Salles Farias/Facebook)

A Pioneira Deuzolina Salles Farias é natural de Belém onde nasceu no dia 29 de outubro de 1921, filha de Carlindo de Sousa Salles e D. Maria Marques de Sousa Salles.
Estudou em Belém, diplomando-se professora pela Escola Normal do Pará em 1937, iniciando as atividades profissionais no colégio "Ciências e Letras" e posteriormente escolas primárias em Fordlândia e Tapajós.
No ano de 1945, aceitou o convite do Governador do Território do Amapá, para participar e desenvolver um bem planejado programa de educação. Chegou à Macapá e, depois da tramitação legal, foi contratada. Fez um estágio de dois meses na antiga Divisão de Educação para conhecer o sistema e, logo em seguida, foi nomeada Diretora do Grupo Escolar Veiga Cabral no Município de Amapá. Em 1947 participou do curso de "Orientação, Direção e Inspeção do Ensino Primário," promovido pelo INEP(Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), tendo obtido excelente classificação, passsando a exercer a função de Orientadora de Ensino.
Conheceu o jovem Amaury Farias desde sua nomeação para o Amapá, mas só chegaram ao casamento no dia 30/12/45 dessa união teve os filhos Amaury, Eury, Deury, Adaury, Laury, Glaury e KIeury.
Na vida profissional a professora Deuzolina participou da fundação da Associação dos Professores do Amapá-AP, apoiando a chapa composta dos membros: Presidente: Maria Lúcia Brasil; Diretor de Secretaria: Diniz Henrique Ferreira Botelho; 1º Secretario: Alzir da Silva Maia; 2.ª Secretária: Iracema Araújo; Tesoureira: Maria Cavalcante; Diretora Nutricionista: Esther da Silva Virgolino: Diretora da Biblioteca: Graziela Reis de Souza; Diretor de Propaganda: Margarida Silva e Diretor Social: Alfredo Oliveira, eleita em 23 de fevereiro de 1953; participou da comissão que fez o projeto de Regulamentação do Ensino Primário, aprovado através do Decreto n." 69/48; participou do grupo de trabalho para a criação da Escola Normal de Macapá que posteriormente foi implantada em 13/01/1949 com o nome de "Instituto de Educação do Território do Amapá”-IETA, designada pelo Diretor da Divisão de Educação para acompanhar e assessorar as irmãs de caridade Celina Querini, Batistina Gritti, Rosa Agostini, Elvira Briatti, Francisca Vila e Santina Rioly, contratadas pelo Governo para administrar a Escola Doméstica de Macapá; eleita para presidência da Associação dos Professores do Amapá-APA em fevereiro de 1955, substituindo a professora Maria Lúcia Brasil; fundou uma escola de Madureza Ginasial que funcionou alguns anos no preparo de candidatos a cargos públicos.
Entrou na política convidada pelo professor Mário Luís Barata, Presidente do Diretório Provisório do Partido Trabalhista Brasileiro-PTB, quando este lançou o Dr. Dalton Cordeiro de Lima e seu marido Amaury Guimarães Farias para concorrer às eleições de Deputado Federal e Suplente em 1958, passando, a partir dessa data, a pertencer ao grupo de oposição ao governo.
Candidatou-se a uma vaga na Câmara de Vereadores de Macapá no ano de 1972 recebendo o apoio dos eleitores, sendo empossada no cargo em 01/01/1973, tendo como companheiros Walter Banhos de Araújo, Jarbas Ferreira Gato, Ubiracy de Azevedo Picanço, Humberto Álvaro Dias Santos, Alceu Paulo Ramos Filho, Raimundo de Azevedo Costa, Isaac da Costa Uchôa, Bento Góes de Almeida, Raimunda Iolanda Guerra de Oliveira, Orivan de Castro Sussuarana, Euclides Campos de Moraes e Antônio Barbosa.
Professora Deusolina participou de vários cursos de aperfeiçoamento inclusive o da CADES; foi homenageada pela Câmara de Vereadores de Macapá com o Diploma de Honra ao Mérito; conquistou centenas de amigos. Foi uma grande mestra, uma esposa exemplar, uma mãe dedicada, uma amiga leal, uma profissional competente, uma política atuante e a sua morte, 10 de dezembro de 1973 enlutou o Amapá pela perda irreparável.
Ela ficou na história como uma das personalidades mais importantes na construção do Estado do Amapá.
(Fonte: Livro Personagens Ilustres do Amapá Vol. 1, de Coaracy Barbosa - edição 1997).
(Repaginado em outubro de 2011)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Antes e Depois: Casa Leão do Norte

ANTES
(Reprodução de arquivo)
ANO 1968 - Velha rua Beira-rio (hoje Binga Uchoa) com Av. Presidente Vargas. Antiga Casa Leão do Norte.
DEPOIS
(Foto: Reprodução do album/Bela Macapá/Facebook)
(Foto de Aloísio Cantuária)
Foto de 2011 - Como está hoje o local onde um dia foi erguida a tradicional Casa Leão do Norte. Rua Binga Uchoa com Av. Presidente Vargas.
 (Repaginado em outubro de 2011)

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Conheça mais sobre a vida do Pioneiro Diniz Henrique Botelho

(Foto: Reprodução / Arquivo da família / Diniz Botelho Filho)
Já fizemos, aqui no blog, em diversas oportunidades, referências ao professor Diniz Henrique Botelho, à sua esposa professora Dinete Botelho e a muitos outros pioneiros que prestaram suas contribuições ao desenvolvimento do Amapá, nos primeiros anos de criação do Território Federal, em diferentes ramos de atividades.
Mas hoje, vamos reproduzir um post publicado no blog do amigo Diniz Botelho Filho, contendo importantes dados biográficos, com adaptações e correções ao material que já havia sido publicado pelo jornalista e historiador Coaracy Barbosa, sobre a biografia de seu pai.
(Foto: Reprodução do blog do Diniz Botelho Filho)
O Pioneiro Professor Diniz Henrique Botelho...
..."nasceu em São Caetano de Odivelas (PA), no dia 26 de fevereiro de 1916, filho do professor Manoel Vasques Ferreira Botelho e a costureira Venina dos Santos Botelho. Estudou no Colégio Paes de Carvalho (Belém – PA) e, posteriormente na Escola Normal do Pará, recebendo o diploma de professor normalista. Começou a trabalhar no dia 17 de maio de 1941 como funcionário do Estado do Pará nomeado para o cargo de professor do Instituto Lauro Sodré (onde também lecionou seu Pai). Convocado para o Serviço Militar ativo do Exército brasileiro em 1942, ao tempo do 2º conflito mundial (1939/1945), servindo no 34º Batalhão de Caçadores, sediado em Val-de-Cans (Belém – PA). Em 12 de novembro de 1943 ingressou como aluno no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva - CPOR. Com o término da guerra, deu baixa do Exército. Chegou à Macapá em 1946, convidado pelo Governador Janari Gentil Nunes (25.01.44 – 28.02.55), ingressando no Quadro de Funcionários do Território Federal do Amapá no dia 1º de maio do mesmo ano, na função de Professor; a 10 de junho recebeu instruções para inspecionar as escolas do interior, nos municipios de Macapá, Amapá e Oiapoque; em 6 de janeiro de 1947 foi nomeado Secretário do Ginásio Amapaense [Grupo Escolar Barão do Rio Branco (Grupo Escolar de Macapá) em caráter temporário até a conclusão de seu prédio (primeiro bloco]; pela portaria datada de 25 de março de 1947, nomeado para lecionar francês (falava fluentemente), história geral e história do Brasil; em 6 de dezembro de 1947 foi nomeado pelo Governador Janari para o cargo de Secretário e Diretor em 1952 do Colégio Amapaense [Em 13 de junho de 1952 passa a funcionar definitivamente em seu prédio próprio, na Av. Iracema Carvão Nunes com a Rua General Rondon, com apenas nove salas de aula]. Apresentou relatório ao Governo, sugerindo a criação da Faculdade de Filosofia do Território Federal do Amapá; nomeado pelo Diretor da Divisão de Educação Lucimar Amoras del Castilho para o cargo de Secretário do Ginásio Municipal de Santana em 22 de junho de 1962; nomeado pelo Governador Terêncio Furtado de Mendonça Porto (26.11.62 – 07.05.64) para ocupar o cargo de Diretor do Colégio Amapaense em 30 de outubro de 1963; Secretário do Núcleo de Educação nomeado pelo professor Geraldo Leite de Morais (Geografia) em 03 de dezembro de 1970; decreto de 23 de agosto de 1973 do Governador José Lisboa Freire (06.10.72 – 01.04,74), nomeia o professor Diniz para o cargo de Chefe da Seção de Expediênte da Divisão de Educação. Em 31 de agosto viajou com a professora Maria Alves de Sá até à cidade de Belém (PA) para tratarem dos assuntos do Núcleo de Educação junto à Universidade Federal do Pará; nomeado pelo Governador Artur de Azevedo Henning (01.04.74 - 15.03.79) em 26 de junho de 1976, para presidir um grupo de professores do Sistema de Bolsas de Estudos; participou da Coordenadoria do Concurso Vestibular do Núcleo de Educação na função de Assessor, convidado pela professora Maria Sá, permanecendo até o 2º concurso em 1977; em 27 de julho de 1984, concluiu sua Licenciatura Polivalente de 1º grau em Letras, pela UFPA.
O professor Diniz casou-se com a enfermeira e também professora, Dinete Ferreira Botelho (03.02.25) e dessa união nasceram os filhos Manoel Edmundo (arquiteto), Francisca Denize (professora), Sandra Regina (professora), Diniz Henrique Filho (desenhista) e Mário Rubens (médico). Aposentou-se em junho de 1976 e veio a falecer no dia 18 de junho de 1995, em Belém (PA). Destacou-se na área de educação orientando os alunos na criação dos grêmios, sempre à frente à organização dos desfiles da semana da pátria e do dia 13 de setembro, criação do Território Federal do Amapá. Foi personagem importante na história do Amapá."
Texto adaptado e feito pequenas correções do livro de Coaracy Sobreira Barbosa - PERSONAGENS ILUSTRES DO AMAPÁ – Vol. 2 (GEA – FUNDECAP – Biblioteca Pública Estadual Elcy Lacerda), podendo ser acrescido, adaptado e corrigido pela comunidade e simpatizantes das ´coisas’ amapaenses. (DINIZ HENRIQUE FILHO)
(Post reproduzido do blog do amigo Diniz Botelho)
(Repaginado em outubro de 2011)

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Baú musical: Grupo Pilão

(Foto: Reprodução/acervo particular José Mendonça)
Do fundo do Baú Musical, o amigo jornalista José Mendonça nos brinda com mais uma relíquia fotográfica.
Segundo o amigo Fernando Canto, trata-se de um registro da apresentação do Grupo Pilão, "por ocasião do 1º Festival Universitário da Canção, promovido pela AUAP - Associação dos Universitários do Amapá), no tempo em que todo mundo fazia faculdade em Belém".
O Grupo, apresentou a música "Pedra Negra", de autoria do Fernando. "Um protesto ecológico-econômico sobre a extração do manganês no Amapá".
O vencedor do Festival, foi Frank Asley, com a música TRADI.
O evento foi realizado no Ginásio de Esportes "Paulo Conrado Bezerra" (atrás do Colégio Amapaense).

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Pioneiras no Meio do Mundo

(Clique na foto para ampliá-la)
(Foto: Contribuição da amiga Veneide Souza)
Ano 1967 - Esta foto registra a visita das estimadas professoras, ao antigo obelisco do Marco Zero do Equador.
Sentindo a emoção de pisarem no meio do mundo: Da esquerda para direita: Sra. Andaoa Cherfen de Souza (esposa Sr. Veridiano); Profª Creuza do Carmo Souza (irmã da Profª Carmelita), Sra. Alencarina Alencar (esposa do Sr. João Freire - operador das máquinas do Cine Teatro Territorial) e Profª Maria Carmelita do Carmo, (primeira diretora da Grupo Escolar Alexandre Vaz Tavares).
(Repaginado em 2011)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Professoras Pioneiras do Amapá

(Foto: Reprodução de arquivo)
Professoras Pioneiras da época do ex-Território Federal do Amapá.
Na fila de cima da esq. p/dir: as três primeiras não reconheci; 4ª Profª Flor Magalhães (esposa do Cabo Velho);  5ª?, 6ª Profª Raquel Capiberibe, 7ª Profª de Canto Ofeônico Edna Cunha; 8ª (de óculos escuros) Profª Deusolina Salles Farias.
Na fila de baixo a partir da esq.: 1ª ?; a 2ª é a professora Zelinda Fonseca de Souza; 3ª; 4ª profª Regina Salles (irmã da Profª Deusolina;  5ª ? e 6ª Maria José (filha mais velha  do Sr. Herundino - irmã do Bira, do Marco Antônio e da profª Leide). As demais conheço mas não sei os nomes.
( Se você conhecer as outras pode ajudar a identificá-las, via e-mail: jolasil@gmail.com ). Se preferir, deixe comentários.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Amujacy Alencar: Um grande Pioneiro

(Foto: Reprodução / acervo pessoal de  José Mendonça)
O amigo jornalista José Mendonça compartilha conosco, via e-mail, esta foto do saudoso Amujacy Borges de Alencar, proprietário do Bar Gato Azul - que funcionou na esquina da Av. Presidente Vargas com Rua São José - no mesmo local do antes consagrado Elite Bar.
Depois que deixou a Amapá, Amujacy viveu por muitos anos em Fortaleza, capital do Ceará, onde faleceu.
Amujacy foi um dos fundadores do Bloco "A Banda".

terça-feira, 11 de outubro de 2011

"Flashes" da História

(Foto: Reprodução de arquivo)
Segundo o jornalista João Silva, esta foto emblemática – uma preciosidade histórica - de 1963, tirada no antigo campinho da Praça da Matriz, mostra uma das muitas formações do time da FIJO - Federação Infato-Juvenil Oratoriana, fundada pelo padre Paulo de Coppi.
Vamos a formação...Da esquerda para a direita, em pé: Celso Façanha, Roberto Charone, Edson Moeda, Francisco Carvalho (), Reinaldo Barcessat, Geraldo Bezerra, João Capiberibe, Almir Menezes(de preto), e "seu" Medeiros, funcionário das Casas Pernambucanas; tietando aparece o Fábio entre o Geraldo e o Capiberibe, o outro garoto não sei de quem se trata;
Agachados na mesma direção: Batista, Rodolfo Juarez, Carlos Bezerra ou Carlos Bicanga, João Silva(Balalão) e Gil; do grupo já faleceram Gil e Reinaldo Barcessat e Roberto Charone.

sábado, 8 de outubro de 2011

Enfermeiras do antigo Hospital Geral de Macapá

Para ampliar clique na foto

Este registro fotógráfico raro datado de maio de 1965 mostra jovens enfermeiras do antigo Hospital Geral de Macapá, no tempo do ex-Território do Amapá.
Será que vocês reconhecem alguma delas? Favor nos informar via e-mail jolasil@gmail.com ou nos comentários.

Da esq. p/dir: Reconheci a 3ª mas não sei o nome dela (a confirmar) acredito ser a mãe do Casé (grande craque do futebol amapaense); a 5ª está me parecendo a Francisca Lourenço, e a 6ª também não sei o nome, só sei que é da família Pimentel). Quem souber me confirme por favor pra completarmos a legenda.
(Foto recebida via e-mail - contribuição do leitor Jeremias Alberto do Espírito Santo)

(Repaginado em outubro de 2011)

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Do fundo do baú !

Amigo jornalista amapaense, João Silva, nos manda, via e-mail, uma das relíquias de seu baú histórico.
Ele explica a legenda: “foto que data de 1954, tirada no Campinho da Matriz; trata-se do Clube do Remo, time que disputava o campeonato interno da Casa dos Padres, mas além dos "craques", há detalhes que não podemos deixar passar em branco, detalhes que fizeram parte do cenário em que vivemos nossa infância feliz, como os táxis rabo de peixe, a casa do Curupira, um dos prédios da Prelazia, a mangueira da frente do João Assis (Elite Bar) e, olhando com boa vontade, ainda é possível enxergar no canto direito da foto parte da Igreja Assembleia de Deus, creio, récem-inaugurado.”
A formação do Remo era a seguinte: Faustino, (que jogou no Juventus, CEA, Clube do Remo de Belém do Pará e Nacional do Amazonas), Lelé (um dos melhores meia-atacantes que vi jogar no futebol amapaense), J. Ney, Enildo, Jarbas e Zé Marques (Curupira), que estava machucado e não pode jogar; agachados: Rubico, Estandico, Expedito, João Silva (Balalão), Zé Lima e Beto. O garoto de braços cruzados, por trás da formação do Reminho, é o agrônomo Rosival Albuquerque, querido “Salário Mínimo”  (João Silva).

Nota do Blog: O jornalista João Silva entra para o mundo da Blogosfera e lança seu blog que pode ser lido no seguinte endereço: www.joaosilvaap.wordpress.com. Seja bem-vindo! Acessem!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Exposição de Animais e Produtos Econômicos (3)

(Reprodução de arquivo)
Para ampliar, clique na foto
Anos 50 - Estudantes desfilam ao som da Banda de Música da Guarda Territorial, na  12ª Exposição de Animais e Produtos Econômicos realizada no Estádio Municipal Glycério de Souza Marques.
(Repaginado em outubro de 2011)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Exposição de Animais e Produtos Econômicos (4)

(Foto: Reprodução de arquivo)

Para ampliar, clique na imagem
Anos 50 - Estudantes desfilam na área da 12ª Exposição de Animais e Produtos Econômicos, realizada no Estádio Municipal "Glicério de Souza Marques", em 1959. A imagem mostra o portão de entrada do estádio e o Portal da Feira.
(Repaginado em outubro de 2011)

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Exposição de Animais e Produtos Econômicos (5)

(Reprodução de arquivo)
 Clique na imagem, para ampliá-la
Anos 50 - A foto mostra Estudantes do Colégio Amapaense em uniforme de gala, presentes à 12ª Exposição de Animais e Produtos Econômicos, realizada em 1959, no Estádio Municipal "Glycério de Souza Marques".
O uniforme tinha cor verde cana (escura) por essa razão, recebeu o apelido, na época, de "Garapa Azeda".
(Repaginado em outubro de 2011)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Exposições de Animais e Produtos Econômicos

(Foto: Reprodução do blog Repiquete...)
(Foto: Reprodução do blog Repiquete...)
Nesta foto dos anos 50 - vemos os barracões do 12º Parque de Exposições de Animais e Produtos Econômicos, na época do ex-Território Federal do Amapá, que foi montado na área interna do Estádio Municipal "Glycério de Souza Marques", em Macapá. Ao fundo da imagem, a casa onde funcionou o Tiro de Guerra nº 130, até o ano de 1969, quando foi extinto. Nessa época o estádio tinha cerca de madeira.

sábado, 1 de outubro de 2011

Dr. José Clemenceau Pedrosa Maia

(Foto: Reprodução de arquivo)
José Clemenceau Pedrosa Maia nasceu na cidade
de Itaporanga, Estado da Paraíba, em 2 de agosto de 1931, e foi um dos Pioneiros da Justiça no Amapá.
Iniciou-se na Paraíba tendo-se formado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Recife, PE. O desembargador Clemenceau Pedrosa Maia iniciou sua vida pública como Promotor Público da Comarca de Princesa Isabel, PB. Ocupou depois o cargo de Juiz de Direito na Comarca de Macapá, no antigo Território Federal do Amapá, de onde passou à Comarca de Porto Velho, no Território Federal de Rondônia. Mais adiante, judicou na Circunscrição de Taguatinga, DF, e, em 1982, foi nomeado Desembargador do Tribunal de Justiça de Rondônia. Exerceu os cargos de Corregedor-Geral de Justiça, Vice-Presidente do Tribunal Regional Eleitoral e Presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia. Publicou trabalhos sobre Ação Declaratória Incidental, pressupostos de Admissibilidade, Efeitos da Sentença e Independência e Autonomia do Poder Judiciário, além de diversos artigos jurídicos. Aposentou-se em agosto de 1991 passando a viver na cidade de Recife-PE. Dr. José Clemenceau Pedrosa Maia, faleceu no Recife, aos 76 anos, dia 10 de novembro de 2007. Seu passamento se deu por causas naturais. Seu corpo encontra-se sepultado no Cemitério Parque das Acácias, em João Pessoa.