quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Foto Memória do Esporte Amapaense: América Futebol Clube

Nossa Foto Memória de hoje, registra um raro momento do esporte amador de Macapá.
O Time do AMÉRICA-AP - INÍCIO DOS ANOS 70
Em pé: Marinho Macapá, Bernardo, Pedrinho, Zé Luiz, Deca, Walber, Célio, Quipilino e Dias. 
Agachados: João do Bolão, Vavá, Augustinho, Nuruca, Zé Raimundo, Sabá e Dico do Guito.
O América, era um dos clubes da era amadorística do futebol de Macapá.
Como a de muitos outros, sua criação foi inspirada em agremiações congêneres do Rio de Janeiro. Muito pouca coisa sobre sua história foi registrada e hoje pode ser contada, por aquelas pessoas que viveram os bons momentos do esporte, no início do ex-Território Federal do Amapá.
Lembro, apenas, que a sede da agremiação era bastante concorrida na parte social. Situava-se em uma área do bairro do Laguinho, onde algum tempo depois foi erguida a Praça Chico Noé.
Era um ponto de diversão da moçada laguinense que curtiu bons agitos nos tempos sombrios da sempre pacata Macapá.
Como eu era muito novo pedi auxílio ao amigo e parceiro Édi Prado, que também era garoto e lembra da sede na área hoje situada entre as ruas Gal. Rondon e José Serafim. Segundo ele, “o salão era tão grande que jogávamos bola lá dentro. Depois tínhamos que varrer o "campo" todo. As festas começavam na sexta e seguiam até domingo. Ninguém reclamava.”
Ele conta também que, vez por outra, havia um entrevero que durava quase uma hora, mas tudo era resolvido na mão. “Não se usava armas para brigar. Vale lembrar que depois da briga o pau torava. Ligavam a "aparelhagem " e dançavam até Hally Gully. O treino era três vezes na semana. Tinha o roupeiro que coletava tudo para levar para a lavadeira. O Seo Pedro Monteiro era o dono do time. Ele tinha um bar e mercearia no mesmo espaço, onde também era a residência.”
Quem souber de mais alguns detalhes e quiser contribuir, pode deixar registrado nos comentários.
Fonte: Facebook

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Foto Memória do Esporte Amapaense: Esporte Clube Macapá - Primeiro Campeão do Copão da Amazônia

Em 1975 foi criado o Copão da Amazônia ou Torneio Integração da Amazônia onde clubes dos estados onde o futebol era amador poderiam disputar uma competição oficial além dos seus respectivos campeonatos estaduais. 
Por ter sido campeão amapaense de 1974 o Macapá foi o primeiro representante do estado no referido torneio.
Juntaram-se ao Macapá os campeões de Acre, Rondônia e Roraima e o torneio foi disputado em Porto Velho. Os resultados do Macapá foram:
22 de Julho de 1975 - AmapáMacapá 1-0 JuventusAcre
26 de Julho de 1975 - AmapáMacapá 3-2 BaréRoraima
29 de Julho de 1975 - AmapáMacapá 3-0 FerroviárioRondônia
Decidindo o torneio contra os donos da casa, o Macapá mostrou superioridade e bateu o Ferroviário em Porto Velho pelo placar de 3-0, com gols de Barradas(17'1º), Marco Antônio(16'2º) e Bira(25'2º) e foi campeão da primeira edição do torneio. (Texto: Wikipédia)
(Foto: Facebook)

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Foto Memória do Esporte Amapaense: Escolinha do Santana Esporte Clube

No início dos anos 60, o Sr Antônio Trevizani, então diretor de futebol do Santana Esporte Clube, lançou a semente criando o departamento infantil da instituição e iniciou o importante trabalho de base do clube, que rendeu frutos para dar ao canário 7 títulos estaduais. Com 30 crianças, o treinador Gutemberg Meneses assumiu o comando técnico do grupo e a garotada surpreendeu com 12 vitórias em 15 jogos. Era a melhor base do Território Federal do Amapá, um exemplo a ser seguido por todos nos dias de hoje!
Veja na foto de 1962 a partir da esquerda futuros craques do Santana Esporte Clube:
Em pé: Venturoso, Olegário, Luiz, Gilberto, Antônio Trevizani e Peba.
Agachados: Haroldo, Nêgo,  Pastana, Maurinho e Stélio.
Fonte: Santana Esporte Clube

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Memória do Amapá: Os três mais profícuos gestores públicos do Amapá

Por Nilson Montoril (*)
Quando sou indagado sobre os três mais profícuos gestores públicos do Amapá, considerando suas duas fases distintas de Território Federal e de Estado, não posso deixar de declinar os nomes de Janary Gentil Nunes, Ivanhoé Gonçalves Martins e Annibal Barcellos. 
Julgo que o primeiro governador é imbatível. Sua missão foi mais árdua, porque o desencanto neste pedaço do Brasil limitava as aspirações do povo. Ivanhoé Martins e Annibal Barcellos despontam no mesmo plano de realizações, notadamente no campo da saúde, da educação e dos transportes. Os três governadores devotaram-se às questões estruturais e futuristas. 
A Janary Nunes o Amapá deve a implantação de uma promissora unidade federada. Na sua gestão, de quase 12 (doze) anos, foram construídos novos e belos prédios: 
o primeiro Hospital, a primeira Maternidade, o primeiro Grupo Escolar (Barão do Rio Branco),...
... a primeira urbanização de praça (Barão do Rio Branco), a primeira estação de captação e tratamento de água e de esgoto, o primeiro estabelecimento secundário (Ginásio Amapaense), a maior extensão da Rodovia Macapá – Clevelândia, etc, etc. 
Ivanhoé Martins foi extremamente dedicado para dotar Macapá da Estação de Tratamento de Água, da Estação Tropo – Difusora da Embratel, do 3º pavimento do Hospital Geral que hoje possuímos,... 
...do Pronto Socorro Osvaldo Cruz, da conclusão da BR156, do Hospital de Pediatria, do Palácio do Setentrião, da Praça da Bandeira, do asfaltamento de ruas, avenidas e rodovia Duque de Caxias,(hoje Rod. Duca Serra)...
...prédio da Prefeitura de Macapá, prédio dos Bombeiros e da Polícia Militar, etc.
O Governador Annibal Barcellos, que exerceu o cargo por cerca de 10 (dez) anos, além do seu espírito empreendedor, contou com a colaboração de um grande brasileiro, o Ministro do Interior Mário David Andreazza, no período de abril de 1979 a junho de 1985. Barcellos foi bem mais futurista do que os outros gestores. 
Pensando no Amapá como Estado da Federação, construiu o prédio da Assembleia Legislativa, do Banco do Estado do Amapá, das Secretarias de Governo, da Câmara Municipal de Macapá,... 
... do Tribunal de Contas, do Palácio do Governo, Monumento Marco Zero,...
... do Fórum de Macapá, a rampa acostável do Santa Inês, etc “e por aí a fora”. Preocupado em dar o melhor aspecto às áreas reservadas para praças de Macapá, urbanizou-as e reformou as existentes. Seus adversários políticos passaram a chamá-lo de “Zé Pracinha”.
Janary Nunes, Ivanhoé Martins e Annibal Barcellos tinham outro ponto em comum: Oficiais das Forças Armadas. Os dois primeiros integraram o Exército, respectivamente nos postos de Coronel e General. Barcellos, Capitão de Mar e Guerra. Também são comuns os interesses pelo atendimento às comunidades interioranas utilizadoras das vias fluvial e litoral atlântico. 
Janary Nunes montou a primeira frota de embarcação do Amapá: rebocador Araguary, Alvarenga Uaçá,... 
...lanchas Veiga Cabral e Amapá, Iates Itaguary, São Raimundo, Macapá, São Francisco, Canoa Liberdade e dezenas de motores de popa. 
O General Ivanhoé ampliou a frota incorporando o Iate João das Botas, Marcílio Dias, além de recuperar diversas embarcações que se encontravam no Estaleiro Naval. 
O Comandante Barcellos transformou o Serviço de Transportes do Território Federal do Amapá-SERTA Navegação, em Superintendência de Navegação do Amapá – SENAVA, que seria o trampolim para a criação da Companhia de Navegação do Amapá – CONAVA. 
Em sua gestão administrativa recebemos os navios Idalino Oliveira (372 passageiros), Comandante Pedro Seabra (114 passageiros) e Comandante Solon de Almeida(500), balsa Hospital e suas cinco lanchas de apoio, Ferry-boat e lanchas doadas as Prefeituras do Amapá, Mazagão, Calçoene e Oiapoque. Em termos de transportes aéreos os três também são imbatíveis. Os tempos modernos cooperaram com Barcellos, facultando-lhe a incorporação de dois aviões Bandeirantes ao Departamento de Transportes Aéreos.
Além dos aviões Bandeirantes, permaneceram o Beachraft, o Baron, o Cesna 206 e o Navajo. No tempo de Janary Nunes havia dois Paulistinhas, o Bonanza e o Beetchraft. Eram aviões pequenos, de treinamento e para transportar, no máximo quatro pessoas. O General Ivanhoé Martins adquiriu alguns Cesnas, manteve os existentes e recebeu um helicóptero, que foi trocado por outra aeronave.
As gestões aqui abordadas não coincidem por acaso. As Forças Armadas sempre preparam bem os seus oficiais, tornando-os hábeis empreendedores. Mas, o Comandante Barcellos tinha um trunfo que superava os demais governadores. Poderia ser mais um dos nomeados pelo Poder Central que, depois de encerrar sua gestão administrativa deixaria o Amapá, raspando a terra tucuju de seus sapatos na porta do avião. Ele não agiu assim. Identificou-se tanto com o Amapá, teve profunda afeição pela “estância das bacabas”, que permaneceu residindo na cidade, como um dos vereadores de Macapá. Emérito desportista e amante das tradições culturais seguiu, transitando fagueiro e serelepe por nossas ruas e demais logradouros públicos, relacionando-se cordialmente até com os que já o consideraram inimigo número um. 
A exemplo de Janary Nunes, também registrou em livros as suas realizações.
(*)Texto do professor, historiador, radialista e atual presidente da Academia Amapaense de Letras, publicado originalmente sob o título "Prefácio de um livro", na edição do dia 27/10/2018, no Jornal Diário do Amapá. Especialmente adaptado e atualizado para o blog Porta-Retrato, com  a devida anuência do autor.
Fotos de arquivo do Porta-Retrato

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Foto Memória da Mineração Amapaense: Navio no Cais da ICOMI, em Santana

Foto Memória publicada no ICOMI - Portal de Altamir Guiomar, retrata um dos momentos importantes da economia do Amapá, vendo-se um navio graneleiro de minério no porto da mineradora ICOMI, no Amapá.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Fotos Memória do Rádio Amapaense: O melhor dos amapaenses

Por Expedito Leal
O rádio esportivo de Macapá em tempos idos tanto recebia valores de Belém como igualmente fornecia talentos para as emissoras da capital paraense.
Naquela época remota, Júlio Sales, um dos mais longevos locutores em atividade no rádio cearense, foi o primeiro a deixar Belém para atuar na Difusora do então território federal. Ele já passara pela Marajoara e Clube e em Macapá na segunda metade da década de 1950, além de narrador de futebol, era animador de auditório, repórter de rua e nas horas vagas também ator de novelas. Há quase seis décadas, Júlio que por muitos anos foi o titular da extinta e prestigiosa Uirapuru de Fortaleza, passou por outros prefixos alencarinos até se fixar na Assunção. Onde também atua o filho Mário Sales, que se iniciou, tal como o pai, no rádio de Belém.
Outro que teria rápida passagem pela mesma Difusora, foi o saudoso José Simões, igualmente como Júlio, um narrador principiante na Rádio Clube. 
Não foi muito demorada também, a permanência de Carlos Cidon no começo dos anos 60 na extinta Equatorial de Macapá.
Inversamente à “exportação” de narradores, vindo da capital do hoje estado do Amapá, chegaria em 1958 João Álvaro, paraense, mas que trabalhou por algum tempo no IBGE de Macapá e em Belém chegou ao cargo máximo de gerente do órgão federal. Revelou-se um excelente repórter, ainda que sendo uma pessoa de temperamento calmo, sem ser, no entanto, retraído, mas sempre antenado à notícia. Durante muito tempo apresentou uma sequência dentro do programa O Cartaz Esportivo –O Fato do Dia – no final da tarde. Tinha sempre uma entrevista factual gravada ou ao vivo para oferecer aos ouvintes. Era um entrevistador de perguntas objetivas, mas sólidas no conteúdo. 
No gramado, com o famoso BTP (aparelho comprido com uma antena e um microfone acoplados e com uma nitidez de som excelente) enfrentava a concorrência à altura de Abílio Couceiro pela Marajoara. Se equivaliam. Até na leveza vocal.
Depois que João Álvaro assumiu a chefia do IBGE, afastou-se do rádio e só eventualmente comentava jogos pela Marajoara, quando Carlos Castilho, o comentarista titular, tinha que se ausentar de Belém por força de seu emprego na Petrobrás. Pois para substitui-lo, com rara simetria, tanto na voz de timbre baixo, mas dotado de bom improviso e sendo um repórter diligente, outro bom valor do rádio macapaense aportou em Belém.
Guilherme Jarbas, que pertencia à Difusora, passou a substituir João Álvaro no Fato do Dia. Ele também era narrador, embora fosse melhor na função de repórter.
Quase ao mesmo tempo (1970) surge em Belém o garotão Guilherme Pinho dotado de boa voz e dicção clara, além de fácil expressão verbal. Ele fora revelado pela terceira emissora de Macapá, a Educadora São José. Explodiu rapidamente na Marajoara e sem tanta demora foi contratado pela Clube. Que naquele tempo sentira muito a saída de Cláudio Guimarães para a nova equipe da Liberal. Pinho, porém, talvez pela própria idade, era um tanto amolecado, comportamento que destoava na equipe chefiada pelo mítico e disciplinador Edyr Proença. Empolgado pela fama que rapidamente viu aparecer, ele se transfere para a nova equipe da Liberal onde já estavam entre outros nomes de peso além de Cláudio Guimarães, Jayme Bastos, Grimoaldo Soares, Luiz Solheiro e ainda o plantonista Bellard Pereira.
Em pouco tempo, porém, Guilherme Pinho estava saindo da Equipe Legal e sem mais ambiente em Belém, transferiu-se para Fortaleza onde trabalhou em várias emissoras, deixou o microfone esportivo e passou a apresentar um programa político em uma das rádios AMs. Depois de formado em Direito trabalhava na assessoria jurídica da Câmara Municipal. Teve morte trágica – foi assassinado – no início do novo século.
De toda essa gama de valores amapaenses, o mais famoso, entretanto, não veio para Belém. 
O competente narrador Guioberto Alves preferiu aceitar a tentadora oferta financeira da então poderosa Rádio Difusora do Maranhão e foi substituir Walbert Martins, o popular “Canarinho”, hoje com mais de 80 anos, embora não mais transmitindo o futebol, e que se transferiu para a Timbira, a grande concorrente da Difusora em São Luis. Guioberto chegou e conquistou a audiência logo de cara. Tinha voz agradável, pronuncia esmerada e ainda era bem articulado. Nesse tempo eu ouvia muito as emissoras maranhenses através das ondas curtas. Morreu de um acidente quando retornava de Teresina em um jipe juntamente com Herbert Fontenele (recentemente falecido). Sua morte foi uma consternação na capital timbira. Mereceu até honras de estilo por parte de todo o rádio timbira. Atuou por cerca de uma década na Difusora (1963/72).
A emissora teve muitas dificuldades para encontrar seu substituto e recorreu até ao rádio paulista sem conseguir êxito, tamanha era a maciça audiência dos ouvintes identificados com o estilo de Guioberto. Um dos melhores do Norte de todos os tempos.
(*) Jornalista e radialista paraense editor do blog Ponta de Gol
Fonte: Texto e Fotos Blog Ponta de Gol

terça-feira, 2 de outubro de 2018

FALECIMENTO: Morre em Macapá, a Professora Edna Soares da Cunha um marco na vida cultural e musical do Amapá.

Faleceu nesta segunda-feira, 01/10, a professora Edna Soares da Cunha, natural da vila de Quatipuru Mirim, município de Bragança-Pa. 
Ela estava com 90 anos de idade e veio a óbito vítima de fulminante infarto do miocárdio.
Edna Cunha se formou como professora pelo Instituto de Educação do Pará em 1948. Casou-se com Juracy Ribeiro da Cunha (em memória) e juntos foram trabalhar no Território Federal do Amapá em 1952. Em Macapá estudou teoria musical no Conservatório Amapaense de Música, além de inúmeros cursos de música pelo Brasil.
Professora Edna desenvolveu uma carreira próspera no magistério de Macapá. Trabalhou no Instituto de Educação do Território do Amapá – IETA, nas escolas Alexandre Vaz Tavares, e Coaracy Nunes. Em 1976 foi nomeada pelo Secretário de Educação e Cultura para desenvolver estudos para a implantação e organização de corais de alunos nas escolas de 1º e 2º graus em Macapá. Entre 1955 a 1975 trabalhou na Escola de Música Walkíria Lima com corais e ensino de teoria musical e solfejo.
Foi agraciada com muitos prêmios e honrarias. Em 1976 recebeu o título de Professor do Ano e o Título Honorífico da Câmara Municipal do Amapá, em 1999. Recebeu também o Diploma de Destaque Cultural Popular do Conselho Estadual de Cultura, e o título de Honra ao Mérito da Congregação Bete Seã em 2011 e da Convenção Estadual da Assembleia de Deus no Amazonas, em 2014.
Fundou o Coral do Serviço Social da Indústria-SESI, que depois se tornou o Coral Vozes do Amapá, durante muitos anos de atividade musical, apresentando inúmeros recitais de excelente qualidade, pela cidade e interior.
Paralelamente, a Professora Edna dirigiu corais em várias igrejas de Macapá. Esteve como regente titular do Coral Harmonias Angélicas, da Assembleia de Deus do Avivamento por quase 50 anos.
Professora Edna deixa 7 filhos, 26 netos e 12 bisnetos. Deu testemunho de integridade, lealdade e bondade para toda sua família e amigos. De espírito guerreiro, resistiu a um forte AVC (acidente vascular cerebral) aos 50 anos.
Quem conheceu a professora Edna, sabe do sorriso farto, da alegria, da esperança que sempre marcaram sua vida. Deixará muitas saudades, mas sobretudo o exemplo de firmeza, de generosidade, de talento e de serva do Deus Vivo.
O velório aconteceu na Assembleia de Deus do Avivamento na Avenida Cora de Carvalho.
Seu corpo descansa em paz, no cemitério de São José, no bairro Santa Rita.
Nossas condolências à família enlutada!
Fonte: Informações da família
Foto: Arquivo pessoal

sábado, 29 de setembro de 2018

Foto Memória da Comunicação do Amapá: Advaldo Castro – Ele também passou por Macapá

As Fotos Memória de hoje, relembram a figura de um personagem que também contribuiu com a radiofonia amapaense. 
Trata-se de Advaldo Castro um dos grandes nomes da história da radiofonia paraense, que teve mais de 50 anos de rádio.
Adê, como era conhecido pelos colegas de profissão, foi diretor da Liberal AM por mais de 30 anos e seu último cargo na rádio foi como diretor de programação. Natural de Abaetetuba, o radialista começou sua carreira na Rádio Clube do Pará, em 1950.
Depois de um ano na Clube, Adê assumiu a direção da Rádio Difusora de Macapá. 
Nessa foto dos anos 50, vemos em volta da mesa, a partir da esquerda, os pioneiros da Difusora, em Macapá, Advaldo Castro; Raimundo Alves Veras (ao centro) e o técnico em eletrônica Raimundo Rodrigues ("Seu" Pépe).
Em 1953, Advaldo Castro voltou para Belém e passou a fazer parte da equipe da segunda rádio de Belém: a Marajoara, dos Diários Associados de Assis Chateaubriand. Para fazer parte dessa rádio, Advaldo precisou fazer vários testes. Foram mais de 900 inscritos e apenas 14 selecionados. Contratado, Adê passou a apresentar dois programas de grande audiência no rádio paraense: o Grande Jornal Marajoara e o Jornal Marajoara 1ª Edição .
“Adê” teve sua carreira de rádio encerrada em 2006, quando foi vítima da síndrome Shydrager, que atinge a pressão arterial e chega a causar convulsões. Na época ainda era diretor de programação da Rádio Liberal.
Fonte: “O Pará nas Ondas do Rádio”
---------------------------------------------------------------------------------
NOTA DO BLOG

A SRA. MARIA CÉLIA CÔRTE DE CASTRO, viúva do radialista ADVALDO CASTRO, faleceu na manhã desse domingo,30 de setembro, em Belém do Pará.
Maria Célia, de 87 anos, era filha do casal Carlos Cantídio Côrte e Erotildes Lins Côrte e irmã do saudoso radialista Carlos Lins Côrte (Baião Caçula), que trabalhou por mais de duas décadas, como operador de som, na Rádio Difusora de Macapá, falecido em 5 de junho de 1981.
Maria Célia Côrte de Castro, foi a óbito por complicações de saúde, e já vinha recebendo, há algum tempo, tratamento nas unidades de saúde de Belém.
O corpo dela foi sepultado à tarde, no Cemitério Recanto da Saudade, na capital paraense.
Nossas condolências à família enlutada.
Fonte: Informações via telefone, da amiga Consolação Lins Côrte, irmã da falecida.
---------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Foto Memória da Navegação Marítima do Amapá: COMANDANTE SOLON FERNANDES DE ALMEIDA

Há 45 anos, falecia em Macapá, no dia 23 de setembro de 1973, o marítimo Solon Fernandes de Almeida, o primeiro comandante do Iate Itaguary, embarcação que o governo do Território Federal do Amapá comprou do comerciante e pecuarista Tibúrcio Andrade.
Antes de ser incorporado à frota do Serviço de Transportes(Rodoviário e Navegação) do Amapá, o iate ostentava o titulo de "Otávio I", nome de um dos filhos do mencionado cidadão estabelecido em Santo Antônio da Pedreira.
Adquirido em abril de 1944, o Iate Itaguary realizou sua primeira viagem, com tal denominação, entre Belém e Macapá, no final referido mês, aqui aportando no dia 1º de maio. O Comandante era Solon Fernandes de Almeida, que permaneceu na direção da embarcação por mais de uma década. Nascido a 14 de janeiro de 1907, Solon de Almeida morreu com 66 anos de idade. 
No dia 29 de setembro de 1989, quando do lançamento de um novo navio incorporado à frota da Superintendência de Navegação do Amapá-SENAVA, o Governador Jorge Nova da Costa prestou-lhe justa homenagem, colocando seu nome no belo navio, construido em Manaus, pelos Estaleiros Amazônia S.A. Em março de 1990, o navio, com 64 metros de comprimento, 12 metros de largura e capacidade para transportar 955 passageiros fez sua primeira viagem para Belém.
Imagens:  Reproduções  / TV Amapá
Entre 2003 e 2012 ficou sendo utilizado pela empresa de navegação Bom Jesus, que deveria pagar 10 mil reais mensais de aluguel, mas nunca o fez. Retomado pelo governo, ficou encostado à margem esquerda do Rio Matapi, sem uso, tal qual como se encontra no momento. Governo e Marinha pretenderam transformá-lo em navio hospital, mas as negociações não progrediram.

Texto de Nilson Montoril, com imagens (prints de tela)  da TV Amapá
Fonter: Facebook

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Foto Memória de Macapá: O FALECIMENTO DE MÃE LUZIA, há 61 anos

Por Nilson Montoril
“A mazaganense Luzia Francisca da Silva, cognominada Mãe Luzia foi uma mulher empreendedora ao lado do esposo, o Capitão da Guarda Nacional Francisco Lino da Silva, macapaense de boa cepa, que foi buscá-la em Mazagão (atual Mazagão Velho). O primeiro empreendimento do casal foi o "Sitio Capitão", instalado a margem direita do rio Anauerapucu, o rio da Vila Nova da Madre de Deus. O nome da propriedade foi uma homenagem ao marido, quando ele obteve a patente de oficial, Posteriormente, o casal se estabeleceu em Macapá, no Largo dos Inocentes(Formigueiro), esquina da Travessa Francisco Caldeira Castelo Branco (fundador de Belém), via pública que depois recebeu as denominações de Coronel José Serafim Gomes Coelho e Tiradentes(atual). Além do Sitio Capitão, o casal possuiu outra propriedade implantada à margem esquerda do rio Matapy, região de Campina Grande, a qual, na fase Território do Amapá foi vendida ao Sr. Francisco Torquato de Araújo, também mazaganense. Após a morte do Capitão Francisco Lino, Luzia Francisca da Silva decidiu desfazer-se das duas propriedades. Nascida a 9 de fevereiro de 1869, alcançou a idade de 88 anos em 1957, falecendo no dia 23 de setembro. Sua convivência com "Vó Guardiana" enriqueceu seus conhecimentos sobre o uso de ervas medicinais e benzedura. Isso lhe valeu o título de primeiro "dotô" da região. Excelente lavadeira e "engomadeira" tinha uma clientela notável. Na época era bem acentuado o uso de ternos, fatos e outras roupas brancas feitas de linho. Sua casa era de taipa e grande. Caixeiros viajantes costumavam ficar hospedados em seus quartos.
Foto: Reprodução / Facebook
Um dos seus filhos era Cláudio Lino da Silva, pai dos amigos Francisco Lino da Silva (mesmo nome do avô)...
 ... e Raimundo Nonato da Silva, o Bigode.” (fotos)
Texto de Nilson Montoril, publicado originalmente na rede social dele, foi devidamente adaptado e atualizado para o blog Porta-Retrato, com a devida anuência do autor.
Fonte: Facebook

sábado, 22 de setembro de 2018

Foto Memória do Rádio Amapaense: João Álvaro Lima começou no Rádio, na Difusora de Macapá

“João Álvaro Lima, o João Álvaro, consagrado no rádio esportivo desde fins dos anos 1950 foi um repórter dos mais competentes. O chamado repórter volante que entrevistava jogadores, árbitros e cobria os acontecimentos desenrolados no gramado. Era sóbrio, inteligente e preparado para formular perguntas rigorosamente jornalísticas. Não tinha tanta preocupação pelo "furo”. Priorizava a notícia, a entrevista completa. E sobretudo bem elaborada através de perguntas assertivas e consistentes.
João Álvaro, era uma pessoa de temperamento calmo, sem ser, no entanto, retraído, mas sempre antenado à notícia.  Era um entrevistador de perguntas objetivas, mas sólidas no conteúdo.” Texto: Expedito Leal
Foto: Reprodução / Blog "Rádio Memória Pará"
João Álvaro, embora paraense de nascimento, começou sua carreira no rádio, na Difusora de Macapá, pois trabalhou por algum tempo no IBGE de Macapá, e em Belém, para onde transferiu-se em 1958, chegou ao cargo máximo de gerente do órgão federal.
Depois que assumiu a chefia do IBGE, afastou-se do rádio e só eventualmente comentava jogos pela Rádio Marajoara.
Na capital paraense, passou ainda pela Rádio Clube do Pará.
Fonte: Blog "Rádio Memória Pará"
Texto de Expedito Leal, editado e adaptado ao blog "Porta-Retrato", com a devida anuência do autor.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Foto Memória do Esporte Amapaense: Seleção Amapaense de Futebol de 1968

O desportista Zequinha Monteiro, publicou em sua página na rede social, essa Foto Memória da Seleção Amapaense de 1968, em que ele aparece entre os craques da época.
A partir da esquerda, em pé: Marco Antônio, Jorge Tavares, Nariz, Alceu, Zequinha e Canhoto.
Agachados na mesma ordem: Zé Maria Aragão, Carlito Oliveira, Timbó, Pennafort e Orlando Torres.
Fonte: Facebook

terça-feira, 18 de setembro de 2018

LITERATURA AMAPAENSE: O Roubo do Forte Velho, poema de Obdias Araújo

TELA DE OLIVAR CUNHA
O poeta e sociólogo amapaense Fernando Canto, incluiu em sua tese de doutorado sobre a Fortaleza de São José de Macapá, o poema O ROUBO DO FORTE VELHO, de autoria do músico e poeta Obdias Araújo, “um velho militante da literatura amapaense, irmão de outros bons poetas”.

Tu sabias
que a Fortaleza
foi toda construída
no Curiaú?
Diz que o Sacaca
o Paulino e o Julião Ramos
vieram em cima da Fortaleza
varejando até chegar na beira do Igarapé Bacaba
onde amarraram a bichona na Pedra do Guindaste
e foram tomar uma lá
no boteco do sêo Neco.
Diz que o o Alcy escreveu uma crônica
E o Pedro Afonso da Silveira Júnior leu
Oito horas da noite
no Grande Jornal Falado E-2.
Diz que, né?
Diz que o mestre Zacarias
vinha em cima do farol
tocando um flautim feito
com as aparas da porta de ébano...
E que Dona Odália vinha fazendo
flores de raiz de Aturiá
sentada no maior de todos os canhões
brincando com a Iranilde
que acabara de nascer.
Diz que o Amazonas Tapajós vinha
cantando ladrões de Marabaixo
-ele, o Edvar Mota e o Psiu.
E o João Lázaro transmitia tudo para a Difusora.
Diz que até o R. Peixe pintou um mural
-aquele que ficou no pátio da casa do Isnard
lá no Humilde Bairro de Santa Inês
de onde foi roubado pelo Galego e trocado
por duas garrafas de Canta Galo
e uma de Flip Guaraná, lá na Casa Santa Brígida...
Hoje Macapá amanheceu bem
mais triste que de costume.
Roubaram a Fortaleza!
Levaram o velho forte! De madrugada
Dois ou três bêbados remanescentes
viram passar aquela enorme coisa boiando
rumo Norte, parecida uma usina
de pelotização.
Andam comentando lá
pelo Banco da Amizade
que foi o Pitoca
a Souza
o Quipilino
o Pombo
o Zee e o Amaparino...
E que o Olivar
do Criôlo Branco
e o Cirão
estão metidos nessa história.
Eu, hem!

O ROUBO DO FORTE VELHO
Fernando diz que “todas as pessoas citadas no texto, bem como os lugares, existiram ou existem ainda. São elas: Sacaca, conhecedor de ervas, curandeiro; Paulino, organizador de festas de Marabaixo; Julião Ramos, líder, negro do Marabaixo do Laguinho e fundamental no processo de gentrificação das famílias de negros que moravam na frente da cidade na época da instalação do Território Federal; Seu Neco, dono de bar; Alcy, poeta e jornalista; Pedro Afonso da Silveira Júnior, locutor de rádio; Mestre Zacarias, flautista, pai do poeta; D. Odália, mãe do poeta; Iranilde, irmã do poeta que nasceu nas dependências da FSJM quando seu pai ali morava; Amazonas Tapajós, locutor de rádio e boêmio; Edvar Mota, locutor e publicitário; Psiu, locutor e marcador de quadrilha junina; João Lázaro, disk jockey da Rádio Difusora de Macapá; R. Peixe, artista plástico e sambista; Isnard, poeta e advogado, que foi preso contumaz do regime militar; Galego, poeta e jornalista; Pitoca e Souza, filhos do Sacaca, Quipilino e Pombo, irmãos boêmios, sendo o primeiro servidor da Prefeitura e o segundo mecânico e sambista; Zee e Amaparino, irmãos, o primeiro funcionário púbico federal no Amapá e o segundo biblioteconomista; Olivar, torneiro mecânico, filho do Criôlo Branco, massagista e benzedor e; Cirão, tratorista da Prefeitura.
Locais: Fortaleza, FSJM; Curiaú, quilombo próximo de Macapá; Igarapé bacaba, local próximo ao Curiaú; Pedra do Guindaste, antiga pedra e agora um pedestal de cimento que sustenta a estátua de São José, padroeiro da cidade e se localiza na praia; Grande Jornal Falado E-2, antigo programa de notícias de grande audiência transmitido pela Rádio Difusora de Macapá; Aturiá, nome de praia e de uma árvore; Marabaixo, manifestação cultural de origem afrodescendente. Bairro de Santa Inês, antiga localidade da Vacaria, ao sul da FSJM; Canta Galo, marca de cachaça; Flip Guaraná, antigo refrigerante local; Casa Santa Brígida, comércio; rumo Norte, direção da praia do Igarapé das Mulheres; usina de pelotização, local de transformação de pedras de manganês em bolinhas para exportação do minério e; Banco da Amizade, tradicional local de encontro de amigos no bairro do Laguinho.
Este poema é interessante porque realiza uma mistura de personagens emblemáticos da cidade que participaram de um roubo fantástico, em que arrastaram a FSJM pelo litoral até o local onde ela teria sido construída: o Curiaú, na imaginação do poeta.
Suas referências memoriais apontam para uma realidade impossível, na narrativa de lugares e personagens reais da cidade, principalmente os do bairro do Laguinho. O enredo do poema parece se tratar de um resgate (que envolve vingança) de um objeto que não pertencia à cidade de Macapá, mas sim aos remanescentes dos escravos, cujos ancestrais participaram da construção da fortificação, pois a maioria deles são afrodescendentes e por isso viram-se no direito de arrancar a fortificação e leva-la até onde foi, de pleno direito, construída."
Foto: Reprodução / Arquivo pessoal
OBDIAS Alves de ARAÚJO, é amapaense da gema. Nasceu no município de Macapá no dia 22 de Fevereiro de 1957, filho de Zacarias Alves de Araújo e Odália Vieira de Araújo. Músico (trombone e flauta-doce), durante boa parte de sua vida foi amante da boémia e da noite, lançou seu primeiro livro em 1984. Vem participando dos movimentos literários de Macapá e mantendo intercâmbio com poetas e trovadores de outros estados. Embora de uma geração mais recente, fez parte do grupo de poetas que tinha como principal líder Alcy Araújo, ou seja: Isnard Lima, Álvaro da Cunha, Cordeiro Gomes, Manoel Bispo, Fernando Canto e Outros.
Obdias é membro das associações paraense e amapaense de escritores e da União Brasileira de Trovadores. Vive em União estável com Telma Maria Salomão de Araújo.  
Livros Publicados: Apologia (1984) e Praça Pinga Poesia & Mágoa – Diário de um Vagabundo Lírico (1987), VERSÍCULOS DE SALOMÃO (Dezembro de 2017).
Os poemas de Obdias, curtos e de uma linguagem direta e contemporânea, por vezes irônica, conduzem o leitor para o imaginário de um poeta integrado ao seu tempo, que fala de amor e de saudade. Cultiva o humor, trazendo da vida quotidiana os elementos que constroem o seu tecido poético com cores, sons e ritmos.
Obdias é um escritor que gosta de viver intensamente, conta piadas de todos os gêneros, com nítida preferência para os temas eróticos. Entretanto, com perspicácia, é capaz de filtrar para a literatura tudo aquilo que pode ser aproveitado na poética. Não é um escritor que produza intensamente, mas através dos três volumes já publicados, podemos ter uma ideia de que ele está entre os melhores que o Amapá já produziu.
(Texto: Paulo Tarso Barros)
Fonte: Fernando Canto - Todas as informações fazem parte da tese do sociólogo Fernando Canto, sob o título LITERATURA DAS PEDRAS: A Fortaleza de São José de Macapá, como locus das identidades amapaenses, publicada pela Editora da Universidade Federal do Amapá - UNIFAP, 2017.