sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Foto Memória da Comunicação do Amapá: IVO GUILHERME DE PINHO – O GAROTO REVELAÇÃO DE MACAPÁ

Foto: Reprodução / Blog  Rádio Memória-PA
Por José Machado (*)
Nascido em 22 de março de 1952. Menino magrinho, ainda com poucos meses de vida, foi adotado pelo casal Euclides Nogueira de Pinho e Umbelina Guilherme de Pinho residentes a av. Feliciano Coelho no Trem, (ambos já falecidos-ele enfermeiro, e ela dona de casa). Nunca conheceu os pais biológicos por quem foi abandonado.
Talento precoce, aos nove anos de idade, cantava, fazia imitações e dublava Rita Pavone e Roberto Carlos (dos quais era fã ardoroso), em shows artísticos promovidos aos domingos pelo Trem Desportivo Clube.
Foi no Serviço de alto falantes “Urca Bar” de Durval Alves de Melo, aos 14 anos, sua primeira atuação como locutor.
Graças ao seu talento foi convidado pelo então chefe escoteiro Manoel Ferreira - o Biroba, que o levou para o grupo Marcílio Dias (escoteiros do mar).
Alguns dias depois dividia com o velho pioneiro e narrador esportivo, os jogos de solteiros X casados as segundas-feiras.
Em meados de 68, passou a integrar a equipe esportiva de Francisco Salles de Lima (o Chicão) na Difusora de Macapá.
Fez locução de estúdio, ponta de gol, disc-jóquei, narrador esportivo, e finalmente sentindo que Macapá estava pequena demais para os seus sonhos, em novembro de 1969 rumou para Belém e foi logo aproveitado na equipe da Rádio Marajoara.
Passou a fazer parte da emissora associada, que tinha como diretor da equipe esportiva Ivo Amaral, juntamente com Jones Tavares e Thadeu Matos. Em pouco tempo estava narrando futebol.
Sua carreira exitosa, foi observada por grandes olheiros do rádio paraense, e em pouco tempo foi chamado para o time de Jayme Bastos - diretor de esportes da “Equipe Legal” (Rádio Liberal) slogan que a emissora de Rômulo Maiorana usava à época, mas não demorou muito tempo.
Meses depois, estava na seleta equipe da Rádio Clube do Pará que havia tido uma grande baixa profissional, com a saída do grande narrador Cláudio Guimarães para a Liberal.
GUILHERME PINHO era vaidoso, trajava-se com roupas de grifes caras e óculos ray-ban. Além de se autovalorizar, falava o que pensava sem filtro.
Debochado, mesclava sempre alegria e bom humor. Gostava de zoar, fazer escárnio dos colegas de trabalho, com isso atraiu certa antipatia por onde passou.
Talentoso, com um improviso considerado de bom nível para um locutor jovem, em meados de 72, após vários contatos com o radialista Júlio Sales, (ex integrante da RDM), à época diretor da equipe de esportes da (extinta) Uirapuru, de Fortaleza-CE. Salles o integrou imediatamente à emissora, onde teve uma estada muito rápida.
Transitou por outros prefixos alencarinos, mas a vida acadêmica, não permitia conciliar rádio e Faculdade. Graduou-se em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo e posteriormente em Direito.
Concursado, passou a trabalhar na Câmara Municipal de Fortaleza. Tornou-se âncora de um programa na Televisão.
GUILHERME PINHO, teve uma ascensão meteórica. Sua promissora carreira como radialista teria ido mais longe, pois tinha potencial, voz firme e vibrante além de ser bem articulado.
Sua história de vida, seu apego ao rádio, que ele tão bem traduziu em suas narrações que emocionaram milhares de torcedores no Norte e Nordeste do Brasil, é uma história que merece ser sempre recontada.
Morreu precocemente, de forma trágica, assassinado aos 44 anos em 24 de outubro de 1996, em seu apartamento em Fortaleza-CE.
Deixou dois irmãos: Elza Lúcia e Iacy Guilherme de Pinho, ambos adotivos como ele, que ainda residem em Macapá. Vinte e um anos após sua morte, há quem lembre do seu estilo (inconfundível) de fazer rádio.
(*) jornalista e radialista amapaense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário