sábado, 28 de março de 2015

A antiga Praça do Sapo hoje, Floriano Peixoto

(Reprodução de arquivo)
Clique na imagem para ampliá-la
Ano 1966 - Esta foto mostra como era a área hoje ocupada pela Praça Floriano Peixoto, no bairro do Trem.
Por seu aspecto alagado a população apelidou o local de "Praça do Sapo" ou "Lago do Sapo".
Era feio e mau cheiroso pois as pessoas costumavam fazer do local, uma verdadeira lixeira pública.
A área era um pântano devido a presença de um olho d'água.

(Foto: Contribuição do amigo Olivar Cunha, via e-mail)
Na foto de Olivar Cunha vemos a antiga baixada da Praça do Sapo, tendo ao fundo a caixa dágua da CAESA que localiza-se na pracinha da Faculdade Estadual do Amapá (antigo IETA), no centro de Macapá. 
Nessa direção passa atualmente a rua General Rondon.
(Foto: Reprodução de arquivo)
Depois o local ficou assim...
(Foto: Reprodução: Imagens de arquivo)
Depois assim...
(Foto: Reprodução/Google imagens) 
(Foto pertencente à Galeria da Prefeitura Municipal de Macapá)
Após o saneamento e a pavimentação da Praça em 2009, o local virou atração turística com a criação de dois lagos com calçamento para saudáveis caminhadas e pedalinhos para passeios.
(Repaginado em março de 2015)

8 comentários:

  1. Verdade!!! A Praça do Sapo... Morei na Av. Pedro Baião de 1974 até casar e quando era criança, morria de medo do lago, principalmente à noite.

    ResponderExcluir
  2. Nos anos 80, no lago menor tinha um jacaré...foi removido depois pelos bombeiros...a praça é bonita, infelizmente muita gente, sem educação ambiental, depreda e suja sem se importar

    ResponderExcluir
  3. gostaria de obter informações sobre a historia da praça ex. do lago do sapo ate a majestosa floriano.


    Isaias Matos
    tecgo. Ambiental

    ResponderExcluir
  4. Me emociona ver tanta historia em um Estado como o nosso Amapá, tanta riqueza que a cada dia me apaixono mais por esse lugar o qual eu nasci, me criei e moro ate hoje. um dia fui a um enterro no cemitério central em Macapá e um determinado túmulo me chamou atenção, era o túmulo de Iracema Carvao Nunes. Eu só sabia que tinha rua com esse nome, mas não que ela morou, viveu e foi enterrada em Macapá.

    ResponderExcluir
  5. seus merdas, tem pouca informação.....não da pra tirar 10...ruin

    ResponderExcluir
  6. D'oh queria tirar 10

    ResponderExcluir
  7. Nasci e me criei,juntamente com outros oito irmãos, ali naquele logradouro, passei toda a minha infância, adolescência e boa parte da minha fase adulta morando ali e até hoje carrego comigo uma leve sensação de posse daquele lugar que prá mim se constitui como um santuário de beleza. Quando menino aprontei inúmeras molecagens que foram desde fazer cabana no mato, andar de jangada de aninga e até banho no lago, quando este recebia grande quantidade de água da chuva. Hoje, por motivo de força maior, não estou morando lá, mas ainda conservo um saudosismo gostoso de sentir, até como uma forma de manter viva as memórias que vivi.

    ResponderExcluir
  8. E atualmente está bem bonita após a reinauguração de 2016.

    ResponderExcluir