sábado, 1 de setembro de 2012

A Velha Igreja Matriz de São José de Macapá

Fotos raríssimas mostram a Igreja Matriz de São José de Macapá, o mais antigo prédio histórico da cidade - fundado por Mendonça Furtado, em 1785 - tendo ao lado direito o antigo prédio onde funcionou, a Primeira Unidade Hospitalar de Macapá, Palácio do Governo, Escola Técnica de Comércio do Amapá, e que foi demolido para ser construída em seu lugar a Biblioteca Pública "Elcy Lacerda".
(Foto: Reprodução de arquivo)
Igreja de São José reformada em 1949, pelos padres italianos.
A Passagem do Espirito Santo é a que se situava ao lado direito do templo(que teve vedada a passagem de veículos), sendo mais larga do que a Passagem de Santo Antônio, à esquerda (que foi vedada à passagem de pedestres). (Legenda: Nilson Montoril)
“Três detalhes preciosos nesta foto de 1960 da Igreja de São São José, além de parte a Praça Veiga Cabral sendo rearborizada, bem cuidada (eu lembro bem dessa época). (...) Olhando o registro pelo lado direito aparece o Pau do Pecado, cerca que impedia o tráfego entre a catedral e o prédio da Prelazia, onde os moleques das Casa dos Padres se reuniam pra fugir da missa, da novena e passar a limpo a vida alheia; os padres não gostavam, daí o nome de Pau do Pecado; ainda olhando pelo lado direito aparece uma mangueira que morreu de velha e foi substituída por uma nova, que está lá até hoje; bem ao fundo, por trás da mangueira, do lado direito, outro detalhe importante: a residência do senhor José Tavares e da senhora Maria do Carmo Tavares, dona Mariquinha, pais já falecidos do Zequinha Eletricista, Biló, Jangito, Faustino,Tereza, Quitéria, Ana e Joanice. A casa era de taipa e ocupava parte da rua Mendonça Furtado, na esquina com a Tiradentes, no Formigueiro ou Largo dos Inocentes. Biló, Faustino e Jangito foram craques do futebol amapaense e ainda praticavam com boa desenvoltura basquetebol, futebol de salão e voleibol; Biló, pra mim, foi um dos três melhores jogadores que vi jogar no futebol amapaense, ele que brilhou também no Paysandú, de Belém do Pará, levado pelo técnico Gentil Cardoso, de saudosa memória.” (Texto de João Silva – transcrito diretamente do blog do jornalista amapaense)
(Foto: Reprodução de arquivo)

(Post repaginado em 01/SET/2012)

Um comentário:

  1. Em frente era o tacacá da Cezarina, que delicia! Sarah

    ResponderExcluir