domingo, 20 de junho de 2010

Sepultamento de Dona Iracema Carvão Nunes

(Reprodução)
Clique na imagem para ampliá-la
Ano 1945 - Sepultamento de Dona Iracema Carvão Nunes em 23 de julho de 1945.
Da esquerda para a direita: entre os presentes Governador Janary Gentil Nunes (esposo) de farda; ao seu lado direito Dr. Raul Montero Valdez; padres  Antônio Schulth  (de branco) e Feliphe Blanck (ao lado), ambos integrantes da Congregação da Sagrada Família, a mesma a qual pertenceu o Padre Júlio Maria Lombaerdamigos e povo.
O Mausoléo de D. Iracema, está erguido ao lado da Capela Central no Cemitério de Nossa Senhora da Conceição, em Macapá, atrás da Nova Catedral, na Rua Eliezer Levy, no centro da cidade.
_________________________________________________________
“A figura da primeira-dama já tem mais de dois séculos e surgiu nos Estados Unidos. Por volta de 1790, Martha, mulher do primeiro presidente americano, George Washington, começou a aparecer ao lado do marido em ocasiões públicas e chamar a atenção da imprensa – numa emulação republicana dos hábitos da monarquia inglesa, com seus reis e rainhas. Estava garantida a sobrevivência do arquétipo do "casal reinante", tão profundamente entranhado. O termo first lady – primeira-dama, em inglês – foi usado pioneiramente para designar Lucy, mulher do presidente Rutherford B. Hayes (1877-1881). Ela exemplificava o perfil esperado de uma mulher de presidente: uma presença amável e comportada ao lado do marido, entremeada por compromissos oficiais, visitas a escolas e hospitais e recepções bem organizadas (área em que sobressaía, embora tenha proibido bebidas alcoólicas na Casa Branca, o que lhe valeu o apelido de Lucy Limonada). " (Revista Veja – Ed. 1.803 – 23/05/2003)
________________________________________________________________________________________________
 ( Última atualização em 19/01/2011 )

5 comentários:

  1. João, esta é uma foto histórica. O momento do sepultamento de Iracema C. Nunes. Fico imaginando a preocupação dela ao chegar ao Território, recém-criado, uma terra tomada por endemias, sem serviço de saúde e ainda sem o Aralém, usado para combater a malária. A preocupação com os filhos. Afora isso foi ela quem retirou a comunidade negra da Praça de Santa Engracia para que no local fosse construída
    a Praça do Barão e as casas de diretores e altos funcionários do Governo. Eram os ídos de 1944. A comunidade negra foi transferida para os campos do Laguinho, bairro do samba, poetas e compositores. Daí o lamento na letra do Marabaixo: " Aonde tu vai rapaz, por esse caminho sozinho.
    Vou fazer minha morada, lá nos campos do Laguinho".
    E o som das caixas, acalanta esses espíritos.

    ResponderExcluir
  2. João, destaque ainda para monsenhor Arcângelo Cercqua, de batina preta, e na época provedor e vigário da Igreja de São José, que ainda não era Prelazia. Com a chegada e posse de D. Aristides, monsenhor Arcângelo deixou definitivamente Macapá para tornar-se Bispo de Santarém. A foto realça, também, Janary Nunes perfilado, segurando o quepe, enquanto sua esposa baixava sepultura. E o exato momento em que o policial, na extrema direita, toca a corneta, saudando a ilustre dama, na despedida.
    O semblante de Janary não expressa dor, mas uma profunda serenidade diante do destino.

    ResponderExcluir
  3. Isso mesmo Lindoval, excelentes observações.
    Só quem viveu naquela época seria capaz de avaliar o grau de dificuldades que os pioneiros encontraram para desbravar esse pedaço de Brasil. E, pode-se dizer, que Dona Iracema Carvão Nunes, pagou com a vida sua dedicação e o trabalho pioneiro pelo Amapá.
    Com a morte de Dona Iracema, Janary Nunes casou-se, anos mais tarde, com a irmã dela, Dona Alice Déa Carvão Nunes, que foi a titular de número 2 da função social de Primeira Dama do Amapá. Mãe de Janary Nunes Filho, Rudá e Guairacá Nunes.
    Valeu, Lindoval!
    grande abraço

    ResponderExcluir
  4. João, os padres que aprecem na foto são Antônio Schulth e Feliphe Blanck, ambos integrantes da Congregação da Sagrada Família, a mesma a qual pertenceu o Padre Júlio Maria Lombaerd.Em 1945,os padres italianos ainda não haviam chegado em Macapá.Isso só aconteceu em 1948.

    ResponderExcluir
  5. OK Nilson...prazer em tê-lo por aqui.
    Muito grato pelas informações, bastante oportunas.
    Já corrigí a legenda da foto.
    grande abraço

    ResponderExcluir

Foto Memória de Macapá: Pioneiros de Macapá

Trazemos para o Porta-Retrato foto compartilhada pelo amigo Luiz Pessoa, com imagens de um evento social e esportivo, no início dos anos...