terça-feira, 27 de setembro de 2011

Aristides Pirovano, primeiro bispo de Macapá

(Foto: Reprodução de arquivo)
Dom Aristides Pirovano nasceu em Erba, Província de Como e Arquidiocese de Milão, no dia 22 de fevereiro de 191S. Infância marcada pelos compromissos escolares e vivida numa família cristã. Ao chegar a sua casa, aos 17 anos de idade levou um choque pelo falecimento de seu pai, vítima de atropelamento. Encaminhado para exercer trabalhos manuais para auxiliar a economia doméstica, começou a descobrir a dureza da vida, os desníveis sociais. Nesse exato momento desabrochou nele a vocação para a vida sacerdotal e decidiu ingressar no Pontifício Instituto das Missões Estrangeiras - PIME, com sede em Milão. Concluiu o currículo filosófico e teológico ordenando-se padre em 20 de dezembro de 1941. Não podendo partir para as missões por causa da guerra, ficou na espera forçada, defrontando-se com as tragédias que assolavam o país. Seu amor pela liberdade foi o motivo de se insurgir contra as formas de violência, integrando-se ao grupo dos "partigrami" que se dedicava a salvar vidas e ajudar os injustiçados. Foi preso e teve a sorte de ser protegido pelo Cardeal Schuster, que o soltou com recomendação de não continuar nessa luta.
Com o término da guerra, aceitou o convite do papa para atender as populações da América Latina, junto com o Pe. José Maritano, e o pe. Attilio Garré. Fixou seu coração na Amazônia, suas sugestões foram acolhidas pela direção geral do PlME que aceitou o compromisso de destinar seus missionários para o Estado do Amazonas e o recém-criado Território do Amapá. No dia 29 de maio de 1948, chega a Macapá, acompanhado de pe. Arcângelo Cerqua e no dia 19 do mês seguinte chegavam os padres Vitorio Galliani, Ângelo Bubani, Carlos Bassanini, Luiz Vigano, Mário Limonta, Lino Simonelli, Jorge Basile e o irmão Francisco Mazzoleni. Foi assim que o Pe. Aristides Pirovano mereceu sua nomeação de Superior dos Missionários do Amapá. O Território com uma vasta extensão de terras, era assistido espiritualmente pelos padres José Beste e Hermano Elzink, ambos idosos.
Com a chegada desse reforço, melhorou o atendimento às populações distantes que pediam a presença dos padres. O grupo não poupou energias e se dedicou à evangelização, à educação e à formação da família. Vieram outros para participar do trabalho: Ângelo Négri e Simão Corridori em 15.12.1948; Pedro Locati e Antônio Cocco em 18.12.1948, que se espalharam por todos os quadrantes do Amapá enquanto os amapaenses assistiram a esses homens de batina, carregando tijolos, fazendo massa, construindo igrejas, batizando, crismando e casando. Foi por esse trabalho dedicado à promoção humana que se formou uma nova circunscrição eclesiástica na Amazônia. Aristides Pirovano organizou paróquias em lugares estratégicos; designou os párocos; construiu o Seminário "São Pio X"; apoiou o governo na contratação das irmãs para a Escola Doméstica e Hospital Geral. Criou clubes esportivos, cinema, jornal, rádio e o pensionato São José.
Comandou tudo isso, primeiro como superior dos Missionários, nomeado em 29.05.48 como Administrador Apostólico em 14.01.1950 e como Bispo prelado em 21.07.1955. Registra-se também o seu trabalho e dedicação aos hansenianos da Colônia de Marituba que mereceu os elogios das autoridades paraenses. No dia 2 de abril de 1965 deixa o Território e assume o cargo de Superior-Geral do PlME em Roma. Dom  Aristides Pirovano faleceu no dia 3 de fevereiro de 1997.
(Fonte: Dados extraídos do livro Personagens Ilustres do Amapá, Vol 1, de Coaracy Barbosa - 1997)
Fotos: Reproduções/Google/imagens
(Repaginado em setembro de 2011)

Um comentário:

  1. Parabéns por lembrar deste grande homem. Sugiro escrever mais sobre ele. Poderiam falar sobre o período na Itália, No Amapá, No PArá e por onde ele andou. Com certeza todos falaraão bem dele.

    ResponderExcluir