quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O Pioneiro: Jaime Pires Pavão

(Foto: Reprodução de livro)
Jaime Pires Pavão, nasceu no município de Cururupú, estado do Maranhão, no dia 30 de agosto de 1932, filho do professor Aclais Rabelo Pavão e de D. Marcelina Pires Pavão. Passou parte de sua infância no lugar onde nasceu e com oito anos de idade foi levado para residir em Belém do Pará onde prosseguiu seus estudos. Estudou o primeiro grau no Grupo Escolar Floriano Peixoto, concluindo em 1949. Iniciou o curso de contabilidade em 1950 na Fênix Caxeiral Paraense, mas concluiu o último ano na Escola Técnica do Comércio do Amapá em 1957. Ainda em Belém, trabalhou no Consulado Britânico desde 1952 e estudava inglês no Consulado Americano, na época o vice-consul Britânico Mr. Kenneth McCrae, tesoureiro da ICOMI em Belém que o convidou para trabalhar em Macapá nessa empresa. Foi para Macapá em 1956 para assumir seu novo emprego na ICOMI, onde exerceu a função de auxiliar de contabilidade no setor contábil da empresa e mais tarde como auxiliar técnico com os americanos, Johnston, Jim Lofley e Donaldson. Na sua ida para Macapá, levou uma autorização da Delegacia Federal de Educação para lecionar Inglês em colégios do Governo. Em 1969 recebeu certificado fornecido pela Universidade Federal do Pará. Macapá era uma cidade pequena, pacata, sem nenhuma atração. A monotonia forçava sua volta para Belém. Muitas vezes ficava a olhar o pequeno aeroporto da avenida FAB, com vontade de voltar, mas ao mesmo tempo esperançoso de adaptar-se a nova vida que iniciara. No dia 31 de dezembro de 1956, num baile de reveillon na sede do Amapá Clube, conheceu Terezinha da Cruz Pimentel, a qual tornou-se sua esposa em 27 de dezembro de 1958 e teve quatro filhos, Cacilda Lúcia, Antônio Jaime, Antônio Cláudio e Antônio Carlos. Conheceu várias famílias em Macapá, crescendo assim seu círculo de amizade, principalmente a família Pimentel, e as demais: Cavalcante, Picanço, Negrão, Holanda, Guedes, Cruz e muitas outras. Lecionou Inglês na Escola Técnica do Comércio e em 1963 voltou a Belém para prestar vestibular em Direito, mas já casado e com dois filhos pequenos, retornou assim para Macapá e assumiu a representação local da multinacional MOORE-MC CORMAK (Nav.) S/A onde permaneceu até o término das atividades da empresa em 1984. Mesmo trabalhando para a empresa, paralelamente, lecionava Inglês nas escolas do governo, CCA, GM, Tiradentes, Azevedo Costa. Foi aposentado em 1991 pelo magistério, mas continuou atividades na SENAVA como chefe de gabinete e chefe de direção de Serviços Gerais. Com a unificação da SENAVA, DER e DETRAER, exerceu funções de chefe de contratos e convênios, chefe de NSP e gerente do Projeto Hidroviário do Porto de Santana. Participou de várias reuniões e seminários em Macapá, Belém e Rio de Janeiro.
Fonte: Livro "Personagens Ilustres do Amapá Vol. III", de Coaracy Barbosa - não impresso.

2 comentários:

  1. CARO JOÃO LÁZARO, QUERO INFORMAR QUE O LIONS CLUBE MACAPÁ CENTRO COMPLETA EM SETEMBRO 50 ANOS DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO ESTADO DO AMAMPÁ, E O COMPANHEIRO JAIME PAVÃO E TEREZJNHA ERA UM DOS SÓCIOS MAIS ANTIGOS DE NOSSO CLUBE.FOI PRESIDENTE E EXERCEU DIVERSOS CARGOS DE DIRETORIA EN NOSSO CLUBE.TENHO A HONRA DE EXERCER PELA 4° VEZ A PRESIDENCIA NESTE ANO DO JUBILEU DE OURO DO LIONS CLUBE.PDG ÍRIA BRASILIENSE LEITE.

    ResponderExcluir
  2. Queria muito saber se sou parente dele não conheço minha família, só sei que é do sobrenome Pavão que nasceu no Maranhão.

    ResponderExcluir