segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O Pioneiro Lourenço Borges Façanha

Se o Sr. Lourenço Façanha estivesse vivo, teria completado neste domingo 8/01, 102 anos de existência. A homenagem póstuma do blog, ao ilustre Pioneiro do Amapá.
( Foto gentilmente enviada via e-mail pelo amigo José Dias Façanha )
O pioneiro Lourenço Borges Façanha nasceu no Município de Tefé, Estado do Amazonas, no dia 8 de janeiro de 1910, filho de Virgilina Borges Façanha e Pedro Leão Batalha Façanha. Iniciou seus estudos naquela cidade, na Escola Municipal, onde concluiu o curso primário, sendo esta a sua única formação regular, apesar de ter desenvolvido estudos autodidáticos, especialmente na área da literatura, tendo, inclusive, produzido para uso caseiro uma antologia sobre a obra de Guerra Junqueira, sua grande paixão literária, ao lado de Machado de Assis. Foi para o Amapá, e atuou no Destacamento Militar de Oiapoque, na condição de cabo do Exército, em janeiro do ano de 1939, onde permaneceu até fevereiro de 1940, quando deu baixa para trabalhar na casa de comércio do seu amigo e compadre Faeck Koury, localizada na então Casa dos Padres, na antiga Praça da Matriz, hoje Praça Veiga Cabral. Além de comercializar os produtos remetidos por Faeck, Façanha e sua Jovem esposa, Diva Dias  Façanha, forneciam alimentação para os padres que aqui atuavam, inclusive para aqueles que chegavam do Seminário de Santana. Essa primeira fase permaneceu em Macapá de 1940 até o início de 1944, espaço de tempo suficiente para conquistar a amizade de muitos moradores da cidade, inclusive do Prefeito major Eliézer Levy, dos comerciantes e das principais famílias, retornando a Belém do Pará. Para sua surpresa, o major Eliézer Levy propôs que voltasse a Macapá para tomar conta da casa "O Estado Novo", a partir de junho de 1944, na qual trabalhou por mais de cinco anos. Depois comprou esse estabelecimento comercial, em sociedade com o sr. Jayme Hamar. Jovem, inteligente, possuidor do dom da palavra, constantemente era convidado para discursar em todas as solenidades políticas e sociais, e a fluência de suas palavras sempre comovia as plateias. Com a transformação daquela unidade paraense no Território Federal  do Amapá, Façanha foi escolhido para saudar o primeiro Governador, Janary Gentil Nunes, no ato de sua posse, cujo discurso foi publicado no jornal ''A Província do Pará" . A vida de Lourenço Façanha foi intensa, participando de todos os grandes eventos da época, entre os quais se destacam a fundação do Panair Esporte Clube, no dia 7 de setembro de 1940 e que, posteriormente, em 18 de julho de 1944, foi transformado em Esporte Clube Macapá; a fundação do Amapá Clube, pelos senhores Zoilo Córdova, João Vieira de Assis(Elite Bar), Meton Jucá, Manoel Eudóxio Pereira· o "Pitaíca", Francisco Severo de Souza, o Assis, Francisco Serrano, entre outros, todos seus amigos; a fundação da Associação Comercial e Agrícola do Amapá, escolhido Secretário durante a administração do 1º Presidente Dr. Paulo Eleutério Cavalcante de Albuquerque.
Foi fundador do Rotary Clube de Macapá, da Cooperativa Agrícola de Macapá, do Clube de Saúde, etc. Teve intensa atuação na vida católica de Macapá, participando da Congregação do Marianos, da Sociedade São Vicente de Paula, etc. Foi Prefeito do Município do Amapá, nomeado pelo então Governador Janary Nunes, no período de 1954 a 1957. Foi funcionário público, exercendo vánas funções comissionadas, sempre na Divisão de Obras. Instalou em Macapá o escritório da SICAM - Sociedade de Defesa dos Direitos dos Autores Musicais.
( Foto gentilmente enviada via e-mail pelo amigo Amiraldo Bezerra )
Nas imagens a partir da esquerda, vemos: José Façanha, Celso Façanha, Dona Diva, Luís Guilherme, Sr. Lourenço Façanha e Maria de Lourdes.

Do seu casamento com dona Diva teve quatro filhos(foto acima): a Professora e Bibliotecária Maria de Lourdes Dias Façanha, o Engenheiro Agrônomo José Dias Façanha, o Engenheiro de Minas e Metalurgia Antônio Celso Dias Façanha e o Engenheiro Florestal Luís Guilherme Dias Façanha. Lourenço Façanha morreu em 21 de março de 1973, vítima de infarto cardíaco, depois de longa enfermidade, em consequência de dois (AVC’s) acidentes vasculares cerebrais. Os amapaenses perderam um grande desportista, um orador de primeira linha, um político inteligente e, acima de tudo, um homem íntegro. Foi um dos personagens importantes do Amapá.
Fonte: Do Livro "Personagens Ilustres do Amapá", vol. I, de Coaracy Sobreira Barbosa, Edição de 1997.

2 comentários:

  1. Obrigado por lembrar o passado de minha família, ótimo blog, parabéns. E lembrando a vó Diva está com 92 anos, história viva do Amapá.

    ResponderExcluir

Foto Memória da Beleza Amapaense: Concurso Rainha das Flores 1968

Na época do Território do Amapá, sempre tínhamos em Macapá destacados eventos, com total participação da sociedade macapaense como desfiles ...